1 evento ao vivo

Europa

Novo terremoto de 6,5 graus sacode o centro da Itália

Google Maps / Reprodução
30 out 2016
07h23
atualizado às 08h21
  • separator
  • 0
  • comentários

Um novo terremoto de 6,5 graus na escala Richter sacudiu na manhã deste domingo as regiões de Úmbria e Marcas, no centro da Itália, e provocou vários desabamentos em construções já afetadas por tremores anteriores, mas ainda não há informações sobre vítimas.

A magnitude de em 6,5 graus foi calculada pelo Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia italiano, após ser elevado até 7,1 em um primeiro momento, corrigido para 6,1 e novamente elevado até a atual dimensão.

Os especialistas precisam de tempo para estabelecer a magnitude com exatidão e o número ainda pode ser corrigido, segundo a imprensa local, que cita fontes do Instituto.

Os desabamentos ocorreram em construções já danificadas pelos tremores da quarta-feira passada em municípios como Ussia, Muccia, Tolentino e Preci.

"Foram abaixo construções de toda a região, estamos tentando comprovar se há pessoas sob os escombros", disse o chefe de Defesa Civil de Marcas, Cesare Spuri, à imprensa local.

A maioria das casas estavam vazias porque após os sismos do dia 26 as pessoas ficaram desalojadas. O prefeito de Acquasanta Terme, Sante Stangoni, confirmou destroços na cidade, assim como o de Tolentino, Giuseppe Pezzanesi.

"Houve edifícios que caíram inteiros no centro histórico. É dramático", comentou Pezzanesi. O prefeito de Preci, Pietro Bellini, assinalou que houve novos derrubamentos em casas, igrejas e centros da cidade.

Cerca de quatro mil pessoas, segundo dados oficiais, se encontram desalojadas e recebem assistência desde a quarta-feira passada, quando dois tremores de magnitude superior a 5 graus causaram notáveis danos no centro da Itália.

Muitas destas pessoas saíram às ruas e mostraram angústia porque a terra não para de tremer desde então. A Defesa Civil do país pediu que se mantenha a calma e informou que equipes de especialistas estão trabalhando para verificar e quantificar os danos.

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade