2 eventos ao vivo

França identifica todos os 129 mortos dos atentados de Paris

18 nov 2015
10h26
atualizado às 11h18
  • separator
  • comentários

As autoridades da França anunciaram nesta quarta-feira (18) que identificaram as 129 pessoas mortas nos atentados registrados em Paris na última sexta-feira (13), além de já terem entregado os restos mortais de cerca de 100 vítimas aos familiares.

Autoridades francesas já entregaram os restos mortais de cerca de 100 vítimas dos atentados aos familiares
Autoridades francesas já entregaram os restos mortais de cerca de 100 vítimas dos atentados aos familiares
Foto: Getty Images

Siga Terra Notícias no Twitter

Em seu último balanço, divulgado nesta terça-feira (17), o Ministério da Saúde afirmou que dos 352 feridos nos ataques, 221 seguem hospitalizados, 57 deles em estado grave. Os demais já receberam alta.

O governo francês indicou, no resumo publicado após o Conselho de Ministros, que a Procuradoria deve finalizar as autópsias antes do fim da semana.

As autoridades também afirmaram que nas noites de domingo (15) e da última segunda-feira (16), dentro das ações proporcionadas pelo estado de emergência decretado após os atentados, foram realizadas 296 batidas, nas quais foram encontradas 40 armas.

Além disso, 33 pessoas foram detidas, e o Ministério do Interior determinou que outras 114 pessoas sejam mantidas em prisão domiciliar.

Por outro lado, o governo francês indicou que, na noite dos atentados, foram mobilizados 4.130 agentes, 2.500 deles policiais e 590 militares, além de servidores de saúde.

Desde então, foram colocados nas ruas do país 58 mil policiais e 50 mil gendarmes (polícia militarizada), tanto em trabalhos de investigação como de aumento da segurança e proteção das fronteiras.

O dispositivo militar que vigia as principais cidades do país também aumentou, passando de 7 mil para 10 mil homens.

O Conselho de Ministros reiterou que os atentados são "atos de guerra abomináveis" que exigem "uma resposta implacável à altura do ataque que sofreu o país".

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade