PUBLICIDADE

EUA suspendem estudo com hidroxicloroquina para tratar covid

O estudo constatou que a hidroxicloroquina não proporcionou nenhum benefício aos pacientes

20 jun 2020 13h33
| atualizado às 13h46
ver comentários
Publicidade

O Instituto Nacional de Saúde dos EUA disseram no sábado que interromperam um ensaio clínico para avaliar a segurança e a eficácia do hidroxicloroquina, um medicamento contra a malária, para o tratamento de pacientes Covid-19 hospitalizados.

O estudo constatou que a hidroxicloroquina, que o presidente Donald Trump sempre elogiou como um possível tratamento, não proporcionou nenhum benefício aos pacientes, apesar de não causar danos, disse a agência em comunicado.

Profissional de saúde mostra cartela com pílulas de cloroquina. 26/5/2020. REUTERS/Diego Vara
Profissional de saúde mostra cartela com pílulas de cloroquina. 26/5/2020. REUTERS/Diego Vara
Foto: Reuters

No início desta semana, a Organização Mundial da Saúde disse que o estudo com a hidroxicloroquina, em seu amplo teste em países para tratamentos para pacientes com Covid-19, foi interrompido após novos dados e estudos não mostrarem benefício.

A agência reguladora de medicamentos dos EUA, a FDA, revogou sua autorização de uso emergencial para a hidroxicloroquina no tratamento do Covid-19 na segunda-feira.

Trump havia promovido a droga como um tratamento potencial, afirmando em março que poderia ser "uma das maiores mudanças na história da medicina" quando usada em combinação com o antibiótico azitromicina.

No mês passado, em um anúncio surpresa, Trump disse que estava tomando hidroxicloroquina de forma preventiva depois que dois assessores da Casa Branca tiveram diagnóstico positivo para o novo coronavírus que causa o Covid-19.

O Instituto Nacional de Saúde dos EUA anunciou em abril o seu teste com a hidroxicloroquina, usada no tratamento da malária e de doenças reumatóides, como a artrite.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade