0

Autor de ataque na maratona de Boston diz estar arrependido

Júri deverá se pronunciar de forma unânime se decidir pela pena de morte para Dzhokhar

11 mai 2015
19h55
atualizado às 20h54
  • separator
  • comentários

Dzhokhar Tsarnaev se mostrou arrependido pelo sofrimento causado às vítimas dos atentados de 2013, em Boston. Foi isso o que a monja Helen Prejean, que se encontrou na prisão com o jovem, disse em seu depoimento nesta segunda-feira, durante o julgamento de Tsarnaev.

Dzhokhar Tsarnaev em foto divulgada pela promotoria em Boston, nos Estados Unidos, em março. 23/03/2015
Dzhokhar Tsarnaev em foto divulgada pela promotoria em Boston, nos Estados Unidos, em março. 23/03/2015
Foto: Promotoria de Boston / Reuters

"Disse enfaticamente 'ninguém merece sofrer como eles sofreram'", testemunhou Prejean à imprensa local. A monja, convocada pela defesa, tenta salvar Tsarnaev da pena de morte. O jovem foi considerado culpado de 30 acusações contra ele, das quais 17 são passíveis da pena capital.

Siga o Terra Notícias no Twitter

"Tive todas as razões para acreditar que estava genuinamente arrependido pelo que fez", afirmou Prejean, de 76 anos, que esteve com Tsarnaev cinco vezes na prisão entre o começo de março e dias atrás, ao fechar a lista de testemunhos apresentados pela defesa.

Uma conhecida opositora à pena de morte, a freira católica saltou para a fama após o sucesso do seu livro, "Dead Man Walking", adaptado para o cinema em 1995 e que conta sua experiência com um homem no "corredor da morte" em um prisão dos Estados Unidos.

Com o testemunho de Prejean, o público pode saber pela primeira vez o pensamento de Tsarnaev sobre os atentados de 15 de abril de 2013, que deixaram três mortos e 264 feridos.

A freira contou ter visitado Tsarnaev pela "mesma razão", que a levou a se reunir com "outras pessoas que tinham cometido crimes realmente terríveis, só para acompanhá-las e estar com elas".

Julgamento de atentado em Boston tem data marcada

A defesa tentou demonstrar que o mais novo dos Tsarnaev, atualmente com 21 anos, agiu sob influência do irmão mais velho, Tamerlan, com quem cometeu os ataques e que foi abatido pela polícia dias depois dos atentados, quando tentava fugir após ser descoberto.

O júri deverá se pronunciar de forma unânime se decidir pela pena de morte para Dzhokhar, um muçulmano de origem chechena. Se um único membro do júri tiver dúvidas, será condenado à prisão perpétua.

Menos de 20% dos moradores de Massachusetts são favoráveis à pena capital para o jovem acusado, segundo pesquisa publicada nesta segunda-feira no jornal local Boston Globe.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade