3 eventos ao vivo

NY: júri considera genro de Bin Laden culpado de terrorismo

Sulaiman Abu Ghaith pode ser condenado à prisão perpétua após o veredito unânime no tribunal no sul de Manhattan

26 mar 2014
12h55
atualizado às 13h56
  • separator
  • 0
  • comentários

Um júri considerou nesta quarta-feira Sulaiman Abu Ghaith, um dos genros de Osama Bin Laden e ex-porta-voz da Al-Qaeda, culpado das três acusações em um julgamento por terrorismo na justiça federal de Nova York.

<p>Homem identificado como Abu Suleiman Ghaith, um dos genros de Bin Laden,&nbsp;aparece nesta imagem est&aacute;tica tirada de um v&iacute;deo sem data</p>
Homem identificado como Abu Suleiman Ghaith, um dos genros de Bin Laden, aparece nesta imagem estática tirada de um vídeo sem data
Foto: Reuters

Abu Ghaith, de 48 anos, que negou as acusações, pode ser condenado à prisão perpétua após o veredito unânime que acaba com três semanas de processo no tribunal do sul de Manhattan.

A promotoria o apresentou como o "principal mensageiro" de Bin Laden depois dos atentados de 11 de setembro de 2001, um "confidente íntimo" que aderia plenamente às ideias do sogro.

<p>Stanley L. Cohen, advogado que representa o genro de Osama Bin Laden, Sulaiman Abu Ghaith, fala aos jornalistas, do lado de fora do tribunal federal, em 24 de março, em Nova York</p>
Stanley L. Cohen, advogado que representa o genro de Osama Bin Laden, Sulaiman Abu Ghaith, fala aos jornalistas, do lado de fora do tribunal federal, em 24 de março, em Nova York
Foto: AFP

Abu Ghaith ficou conhecido por aparecer ao lado de Bin Laden e do atual líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, em um vídeo da organização extremista no qual o grupo reivindicava os ataques que deixaram quase 3.000 mortos.

Ele trabalhou para a Al-Qaeda até 2002, quando se mudou para o Irã. Foi detido em janeiro de 2013 em Ancara, depois de atravessar a fronteira Irã-Turquia, antes de ser expulso para a Jordânia e extraditado aos Estados Unidos.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade