PUBLICIDADE

Em pleno lockdown, Calábria perde 3º comissário de Saúde em 10 dias

Região vive cenário caótico no setor sanitário em plena pandemia

17 nov 2020
14h46 atualizado às 15h01
0comentários
14h46 atualizado às 15h01
Publicidade

Considerada "zona vermelha" pelo governo da Itália, a região da Calábria, no extremo-sul do país, está sem responsável pela Secretaria de Saúde pela terceira vez em apenas 10 dias.

Eugenio Gaudio com o premiê da Itália, Giuseppe Conte
Eugenio Gaudio com o premiê da Itália, Giuseppe Conte
Foto: Ansa / Ansa - Brasil

Relativamente poupada na primeira fase da pandemia do coronavírus Sars-CoV-2, essa região de quase 2 milhões de habitantes - o "bico da bota" no mapa italiano - está com seu sistema sanitário à deriva enquanto enfrenta a segunda onda da crise.

Nomeado na última segunda-feira (16) como comissário de Saúde na Calábria, Eugenio Gaudio renunciou ao cargo nesta terça (17), alegando "motivos pessoais". "Minha esposa não tem intenção de se mudar para Catanzaro [capital da região]. Um trabalho do tipo deve ser enfrentado com máximo empenho, e eu não tenho intenção de abrir uma crise familiar", justificou.

Antes de Gaudio, dois comissários já haviam renunciado ao cargo apenas neste mês. O primeiro, Saverio Cotticelli, entregou sua demissão em 7 de novembro, após ter revelado a uma emissora de TV que não sabia que era sua função preparar um plano regional para conter a pandemia.

Cotticelli, um ex-policial aposentado, havia sido nomeado como interventor no setor sanitário da Calábria pelo primeiro governo do premiê Giuseppe Conte, em janeiro de 2019, e foi substituído por Giuseppe Zuccatelli, que entregaria o cargo na última segunda-feira.

Zuccatelli disse ter se demitido a pedido do ministro da Saúde, Roberto Speranza, e sua decisão foi anunciada após a divulgação de um vídeo no qual ele afirma que as máscaras de proteção "não servem para merda nenhuma".

Intervenção de Roma

A Secretaria de Saúde da Calábria está sob intervenção do governo italiano desde 2009, devido a um enorme endividamento e a infiltrações da criminalidade organizada - a região é berço da 'ndrangheta, poderosa máfia que tem ramificações no mundo inteiro, inclusive no Brasil.

Ao longo da última década, a Calábria conseguiu reduzir a dívida, mas desmantelou parte de seu sistema sanitário, o que fez a gestão Conte classificá-la como "zona vermelha" na pandemia, apesar de ter números muito menores que outras regiões colocadas nesse regime, como Lombardia, Piemonte e Campânia.

As áreas vermelhas têm regras semelhantes às do lockdown vigente entre março e maio, como proibição de sair de casa a não ser por motivos de trabalho, saúde ou urgentes e fechamento do comércio não essencial.

A Calábria registrou 680 casos do Sars-CoV-2 nesta terça-feira, com 35 contágios para cada 100 mil habitantes, apenas o 16º maior índice entre as 20 regiões da Itália, porém o "bico da bota" sofre com poucos leitos de UTI (239) e escassez de operadores sanitários e laboratórios de testagem.

A região também vive um período de transição política, após a morte da governadora Jole Santelli, que tinha 51 anos e lutava contra um câncer, em 15 de outubro. Ela foi substituída interinamente por Antonino Spirlì até a realização de novas eleições, ainda sem data definida.

Em mensagem publicada no Facebook nesta terça, o novo governador cobrou o fim da intervenção de Roma na Secretaria de Saúde calabresa e a renúncia do ministro Speranza. "Ele é uma pessoa agradabilíssima, mas está demonstrando uma embaraçosa incapacidade de gerir a chamada 'operação Calábria'", disse Spirlì.

Até o momento, a região soma 11.070 casos do Sars-CoV-2 e 187 mortes, enquanto a Itália inteira tem 1,24 milhão de contágios e 46.464 óbitos.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade