PUBLICIDADE

Coreia do Norte aconselha EUA a frearem jogos de guerra para "dormirem em paz"

16 mar 2021 11h45
| atualizado às 13h06
ver comentários
Publicidade

Kim Yo Jong, irmã do líder da Coreia do Norte, criticou os exercícios militares em andamento na Coreia do Sul e alertou o novo governo dos Estados Unidos que o cheiro de cordite que se espalha pela fronteira não ajudará a trazer a paz, relatou a mídia estatal nesta terça-feira.

Kim Yo Jong, irmã do líder da Coreia do Norte
02/03/2019
REUTERS/Jorge Silva
Kim Yo Jong, irmã do líder da Coreia do Norte 02/03/2019 REUTERS/Jorge Silva
Foto: Reuters

O comunicado de Kim foi a primeira mensagem pública norte-coreana a Washington desde que o presidente dos EUA, Joe Biden, tomou posse em janeiro. Ele foi transmitido um dia antes de o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e o secretário da Defesa, Lloyd Austin, chegarem a Seul para suas primeiras conversas com suas contrapartes sul-coreanas.

"Aproveitamos esta oportunidade para alertar o novo governo dos EUA que está tentando muito espalhar cheiro de pólvora em nossa terra", disse Kim em um comunicado divulgado pela agência de notícias estatal KCNA. "Se quiserem dormir em paz pelos próximos quatro anos, seria melhor que se abstivessem de provocar fedor com seu primeiro passo."

Apesar de toda a fantasia de Kim, as manobras militares conjuntas iniciadas na semana passada se limitaram a simulações de computador por causa do risco de coronavírus, além dos esforços de engajamento com a Coreia do Norte em curso.

Mas sua mensagem foi clara.

"Exercícios de guerra e hostilidade nunca combinam com diálogo e cooperação", disse Kim Yo Jong.

Quando indagado sobre o comunicado de Kim Yo Jong, Blinken disse que está ciente dos comentários, mas que está mais interessado em ouvir o que os aliados e parceiros dos EUA pensam da Coreia do Norte.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade