0

Confiança da Rússia em Putin é menor em 6 anos, apesar de aprovação alta

12 fev 2020
16h59
  • separator
  • 0
  • comentários

A confiança dos russos no presidente Vladimir Putin atingiu sua menor taxa em seis anos no mês passado, revelou o instituto de pesquisa Levada nesta quarta-feira, apesar de seu índice de aprovação continuar alto.

Presidente russo, Vladimir Putin
10/02/2020
Sputnik/Aleksey Nikolskyi/Kremlin via REUTERS
Presidente russo, Vladimir Putin 10/02/2020 Sputnik/Aleksey Nikolskyi/Kremlin via REUTERS
Foto: Reuters

O índice de aprovação de Putin caiu devido a uma decisão impopular de elevar a idade de aposentadoria em 2018 e a anos de rendas em queda, mas se estabilizou nos últimos meses e subiu ligeiramente para 68%, de acordo com o instituto.

Apesar desta recuperação, porém, a confiança da população em Putin continuou a recuar e em janeiro chegou a 35%, uma queda brusca em relação aos 59% registrados em novembro de 2017, segundo o Levada.

Denis Volkov, um sociólogo do instituto de pesquisa, disse que em janeiro o índice foi o mais baixo desde antes que a anexação russa da Crimeia em 2014 provocou uma disparada na aprovação do líder.

Putin domina o cenário político da Rússia como presidente ou primeiro-ministro desde que chegou ao poder, em 1999.

Seu atual mandato no Kremlin termina em 2024, mas no mês passado ele anunciou mudanças constitucionais abrangentes que são vistas por muitos como concebidas para ajudá-lo a se manter no poder depois de deixar o cargo.

Volkov disse que os resultados da pesquisa mostraram que os russos aprovam Putin em geral, mas que também existe um certo sentimento de fadiga com sua figura política.

"É uma situação quando eles o aprovam, mas o significado de Putin como figura está diminuindo. Ele não é visto como insubstituível e tudo o mais, mas eles aprovam seu trabalho", explicou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade