PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Mundo

Como Milei e Bukele viraram trunfos de Trump e conservadores dos EUA

A presença dos dois presidentes latino-americanos na conferência conservadora CPAC, ao lado de um dos filhos de Jair Bolsonaro, evidencia os riscos e as apostas políticas de ambos os lados, segundo analistas.

27 fev 2024 - 15h52
Compartilhar
Exibir comentários
Ao participar do CPAC nos EUA, Milei deu um abraço efusivo em Trump nos bastidores
Ao participar do CPAC nos EUA, Milei deu um abraço efusivo em Trump nos bastidores
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Algo curioso de acontecer no movimento de direita que alimenta Donald Trump com votos nos Estados Unidos: mais dois presidentes da América Latina juntaram-se à lista de estrelas internacionais dele.

São eles o presidente salvadorenho Nayib Bukele e o argentino Javier Milei, que participaram da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), no sábado (24/2), no Estado de Maryland.

O deputado brasileiro Eduardo Bolsonaro (PL-SP) — filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e aliado de Trump — também participou da conferência.

Ele afirmou que há abusos do Judiciário no caso que investiga um suposto plano golpista para impedir que o atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), assumisse o poder.

O ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro (PL) já havia participado da CPAC, em 2023.

Com discursos e conselhos diferentes, Bukele e Milei tiveram participações aplaudidas durante o influente fórum conservador, no mesmo palco onde Trump falou como protagonista indiscutível.

No início de sua mensagem, o ex-presidente dos EUA classificou a presença de Milei como "uma grande honra" e ainda abraçou o libertário argentino nos bastidores no sábado.

"Vamos tornar a Argentina grande novamente", disse Trump adaptando o slogan com o qual chegou à Casa Branca nas eleições de 2016 — feito que ele pretende repetir novamente em novembro.

Na sequência, Trump riu, como pode ser visto em um vídeo divulgado da reunião, ocorrida a poucos quilômetros do Capitólio dos EUA, que há três anos foi violentamente invadido por seguidores do então presidente americano.

Outros políticos estrangeiros participaram da CPAC, como Santiago Abascal, o líder do partido espanhol de direita radical Vox, e Liz Truss, a ex-primeira-ministra britânica.

Mas como Bukele e Milei se tornaram baluartes e trunfos do trumpismo?

Coincidências

O presidente da CPAC, Matt Schlapp, destaca que a ideia de convidar Milei surgiu após ouvi-lo em um evento parecido que ocorreu no México, em novembro de 2022, quando o argentino apresentou um plano para cortar gastos públicos.

"Adoramos a ideia de ter uma motosserra para representar a eliminação de despesas", disse Schlapp à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

A motosserra foi um dos símbolos da campanha de Milei nas eleições argentinas realizadas no ano passado.

Bukele recebeu aplausos dos participantes do fórum conservador nos EUA
Bukele recebeu aplausos dos participantes do fórum conservador nos EUA
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Se a agenda de Milei coincide com as posições dos conservadores americanos no plano econômico, a controversa "mão dura" de Bukele contra o crime parece enquadrar-se na intenção de Trump de colocar a segurança como uma questão central da campanha.

Bukele declarou guerra às gangues e reduziu as altas taxas de homicídios em El Salvador com uma política de encarceramento em massa e um estado de emergência que, segundo os críticos, levou a inúmeras violações dos direitos humanos.

Mas Schlapp descarta as alegações de abuso e as classifica como "risíveis".

"O que Bukele fez em El Salvador foi atacar o crime e os criminosos. E há muitas pessoas que vivem em nossas maiores cidades [nos Estados Unidos] que gostariam de ver ruas mais seguras", compara ele.

Os especialistas sustentam que a direita americana identificou alguns benefícios em convidar Bukele e Milei para a essa grande reunião anual.

"Para Trump e a base de apoio conservadora, é uma oportunidade de sinalizar que o estilo de governo com a liderança de um homem forte é popular e está ganhando força fora dos EUA", avalia Erica Frantz, professora de Ciência Política na Universidade Estadual de Michigan, que estuda o conservadorismo na política.

Trump foi o protagonista do encontro dos conservadores americanos este ano
Trump foi o protagonista do encontro dos conservadores americanos este ano
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Não creio que se trate especificamente de mobilizar o eleitorado latino dos EUA, mas de um esforço para sinalizar a toda a base conservadora de Trump que a retórica autocrática é 'normal' e que a política do homem forte é o única meio", diz Frantz.

Por outro lado, para Bukele e Milei, participar da conferência pode garantir algumas vantagens, mas também riscos, alertam os analistas.

'Batismo'

Num discurso em inglês na quinta-feira (22/2) durante a CPAC, Bukele procurou entrar em sintonia com o público, criticando alvos comuns da direita, como organizações não-governamentais ou o filantropo bilionário George Soros.

Mas, como alguém acusado pelos críticos de erodir a democracia em El Salvador e concentrar o poder nas próprias mãos, Bukele também deixou alguns recados que podem ter diferentes interpretações.

"Dizem que o globalismo está morrendo na CPAC. Estou aqui para dizer que em El Salvador ele já está morto", disse ele, provocando aplausos de pé do público.

"Mas se quisermos que o globalismo morra aqui também, temos de estar dispostos a lutar sem trégua contra tudo e todos que o defendem", acrescentou ele.

"O próximo presidente dos EUA não deve apenas vencer as eleições. Ele deve ter a visão, a vontade e a coragem de fazer o que for necessário. E, acima de tudo, deve ser capaz de identificar as forças que irão conspirar contra ele", sugeriu.

Giancarlo Summa, pesquisador da Escola Superior de Ciências Sociais de Paris e cofundador do projeto Mudral (Multilateralismo e Direita Radical na América Latina), acredita que esse discurso foi uma espécie de "batismo" político para Bukele, que sempre evitou se definir como alguém de direita

"Ele agora escolheu um lado. E a direita já o escolheu como ídolo", avalia Summa.

O governo Bukele foi acusado de violações dos direitos humanos
O governo Bukele foi acusado de violações dos direitos humanos
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Para Summa, a CPAC trabalha para criar laços de afinidade entre direitistas que têm inimigos comuns e, ao participarem do evento, tanto Bukele quanto Milei optaram por ter boas relações com Trump caso ele vença as eleições em que provavelmente será candidato contra o atual presidente, Joe Biden.

Milei manifestou simpatia por Trump desde o início campanha no ano passado e, embora o discurso no CPAC tenha sido marcado por um certo tom acadêmico em questões de mercado e de Estado, também incluiu críticas à classe política, à mídia e à "agenda assassina do aborto".

"Não permitir o avanço do socialismo, não endossar a regulação, não permitir o avanço da agenda assassina (do aborto) e não se deixar levar pelo canto da sereia da justiça social", listou Milei.

"Venho de um país que comprou todas aquelas ideias estúpidas e, em vez de ser um dos países mais ricos do mundo, está no 140º lugar", continuou ele.

"Se [as pessoas] não lutarem pela liberdade, serão levadas à miséria."

Milei recebeu o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, pouco antes de viajar aos EUA para participar da reunião conservadora
Milei recebeu o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, pouco antes de viajar aos EUA para participar da reunião conservadora
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Milei viajou para a CPAC depois de se reunir com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em Buenos Aires, na sexta-feira (23/2), num momento em que enfrenta crescentes dificuldades políticas internas e procura apoio internacional para os planos de ajustes econômicos.

O embaixador dos EUA na Argentina, Marc Stanley, comunicou confidencialmente ao governo Milei que não seria adequado que o presidente participasse da reunião da CPAC, de acordo com vários relatos publicados pela imprensa.

A resposta que Stanley recebeu foi que Milei evitaria referir-se às questões de política interna dos EUA durante o evento.

No entanto, alguns analistas observam que a participação do argentino na CPAC já fez com que assumisse um risco.

"Se Biden vencer a eleição, é provável que o fato de Bukele e Milei terem se aproximado de Trump crie tensões", afirma Frantz.

A especialista lembra que, durante o atual mandato de Biden, os EUA "já se mostraram bastante incomodados com as graves violações dos direitos humanos do governo Bukele".

"Se Milei cumprir as promessas eleitorais, especialmente no que diz respeito às políticas que suprimem os direitos das mulheres, é provável que o governo Biden responda e tome uma oposição", conclui a cientista política.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade