PUBLICIDADE

Ataque mais letal em escola dos EUA em quase uma década leva Biden a pedir ação contra armas

25 mai 2022 09h54
ver comentários
Publicidade

Um homem armado assassinou 19 crianças e dois professores no tiroteio mais letal nos Estados Unidos em quase uma década, levando o presidente dos EUA, Joe Biden, a pedir aos norte-americanos que enfrentem o lobby de armas do país e pressionem o Congresso a endurecer as leis sobre armas.

Autoridades disseram que Salvador Ramos, de 18 anos, atirou em sua avó, que sobreviveu, antes de fugir e bater seu carro perto da Robb Elementary School em Uvalde, no Texas, matando pelo menos 21 pessoas antes de ser morto, aparentemente baleado pela polícia, na terça-feira.

Os policiais viram o atirador, vestido com colete à prova de balas, sair do veículo acidentado carregando um rifle. Disseram que ele agiu sozinho; o motivo não estava claro.

Em um discurso televisionado, Biden afirmou: "Como nação, temos que perguntar quando em nome de Deus vamos enfrentar o lobby das armas?"

Biden acusou o lobby das armas de bloquear a promulgação de leis mais duras sobre segurança de armas de fogo. Ele ordenou que as bandeiras sejam hasteadas a meio mastro diariamente até o pôr do sol no sábado em observância à tragédia.

"Estou farto e cansado disso. Temos que agir", disse ele sem entrar em detalhes.

Tiroteios em massa frequentemente levam a protestos públicos e pedidos de verificações mais rigorosas de antecedentes de pessoas que buscam comprar armas e outros controles sobre armas de fogo que são comuns em outros países. Essas tentativas, no entanto, falham repetidamente diante da forte oposição liderada pelos republicanos.

A escola que foi alvo do ataque da terça-feira abriga crianças da segunda, terceira e quarta séries, o que significa que os alunos assassinados provavelmente tinham idades entre 7 e 10 anos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade