1 evento ao vivo

Assembleia-Geral da ONU aprova Michelle Bachelet como chefe de direitos humanos

10 ago 2018
14h04
  • separator
  • comentários

A Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta sexta-feira a indicação da ex-presidente chilena Michelle Bachelet como nova chefe de sua agência de direitos humanos.

Michelle Bachelet durante cerimônia no Congresso do Chile
11/03/2018 REUTERS/ Ivan Alvarado
Michelle Bachelet durante cerimônia no Congresso do Chile 11/03/2018 REUTERS/ Ivan Alvarado
Foto: Reuters

O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou a indicação de Bachelet na quarta-feira. Ela substituirá o jordaniano Zeid Ra'ad al-Hussein, que deixa o cargo no final do mês depois de um mandato de quatro anos exercido em Genebra.

Bachelet, que foi torturada pela ditadura de Augusto Pinochet, foi a primeira mulher a comandar o Chile, uma das economias mais desenvolvidas da região.

Ex-pediatra, Bachelet foi presidente entre 2006 e 2010 e foi popular graças às políticas sociais de seu governo e a um crescimento econômico estável durante seu mandato.

Depois ela liderou a ONU Mulheres, que apoia a igualdade de gênero e o empoderamento feminino, entre 2010 e 2013. Ela retornou ao Chile e voltou a ser presidente de 2014 a março deste ano, defendendo uma política mais radical de taxação e gastos, o casamento gay e o direito ao aborto no país socialmente conservador.

No início deste mês Zeid disse a repórteres em Nova York que não buscou um segundo mandato por não acreditar que as potências mundiais, entre elas Estados Unidos, China e Rússia, o apoiariam.

Zeid fez críticas duras a algumas das políticas do presidente dos EUA, Donald Trump, e aos seus ataques à mídia.

A embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, disse em um comunicado emitido na quarta-feira que a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos pode ter uma "voz forte" em questões cruciais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade