3 eventos ao vivo

Malaysia Airlines nega queda de avião com 239 a bordo no mar

O avião, um Boeing 777-200, deixou Kuala Lumpur logo depois da meia-noite de sábado, deveria chegar a Pequim às 6h30 hora local

8 mar 2014
05h56
atualizado às 06h06
  • separator
  • 0
  • comentários

A companhia aérea Malaysia Airlines disse neste sábado que desconhece a posição de seu avião que desapareceu com 239 pessoas a bordo e evitou confirmar se o mesmo caiu no mar, segundo informaram a imprensa e algumas autoridades do Vietnã.

<p>Boeing 777-200 da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, está desaparecido</p>
Boeing 777-200 da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, está desaparecido
Foto: Arte Terra

"Estamos trabalhando com as autoridades internacionais na missão de busca e resgate e às 14h locais (3h de Brasília) do dia 8 de março de 2014 não temos nenhuma informação sobre a posição do avião", disse a companhia aérea em seu último comunicado.

A Malaysia Airlines informou que a torre de controle de Subang, na Malásia, perdeu contato com o avião às 2h40 locais (15h40 de Brasília da sexta-feira).

A Marinha vietnamita informou que o avião caiu no mar entre a Malásia e o Vietnã, a cerca de 300 quilômetros da ilha de Tho Chu, na província de Kien Giang, no sul desse país do sudeste asiático, segundo o site Tuoi Tre.

O diretor do centro de coordenação de emergências do Vietnã, Pham Hien, disse anteriormente ao site VnExpress que o avião fora detectado a cerca de 220 quilômetros do litoral da província de Ca Mau, também no sul do país.

A Marinha vietnamita afirmou que está preparada para iniciar as operações de busca e resgate enquanto as autoridades chinesas enviaram dois navios ao Mar do Sul da China para ajudar nessas tarefas.

O Boeing 777-200, voo MH3700, transportava 227 passageiros, entre eles duas crianças, e uma tripulação de 12 pessoas, todos de 14 nacionalidades distintas. A aeronave decolou de Kuala Lumpur às 00h41 locais (13h41 de Brasília da sexta-feira) e tinha previsão de chegada em Pequim cerca de seis horas mais tarde.

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade