PUBLICIDADE

Após ascensão do Talibã, Otan suspende ajudas ao Afeganistão

Membros da aliança militar se reuniram para discutir crise afegã

20 ago 2021 13h31
| atualizado às 14h35
ver comentários
Publicidade

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) confirmou nesta sexta-feira (19) a suspensão de todas as ajudas às autoridades do Afeganistão, país que voltou a ser comandado pelo grupo fundamentalista islâmico Talibã.

A decisão está em uma declaração conjunta dos ministros das Relações Exteriores da aliança militar, que se reuniram nesta sexta para discutir a crise afegã.

Evacuação de afegãos no aeroporto internacional de Cabul
Evacuação de afegãos no aeroporto internacional de Cabul
Foto: EPA / Ansa - Brasil

"Nas circunstâncias atuais, a Otan suspendeu qualquer apoio às autoridades afegãs. Qualquer futuro governo precisará aderir às obrigações internacionais do Afeganistão: proteger os direitos humanos de todos os afegãos, principalmente mulheres, crianças e minorias; apoiar o Estado de direito; permitir livre acesso humanitário; e garantir que o Afeganistão não seja um refúgio seguro para terroristas", disse a Otan.

A organização manteve uma missão militar no país asiático até pouco tempo atrás, mas sua retirada, assim como a dos Estados Unidos (que também integra a aliança), permitiu o rápido avanço do Talibã, que voltou ao poder quase sem enfrentar resistência.

"Nos últimos 20 anos, fomos bem-sucedidos ao negar a terroristas um refúgio seguro no Afeganistão. Não permitiremos que nenhum terrorista nos ameace. Permanecemos empenhados em combater o terrorismo com determinação e solidariedade", afirma a Otan.

A aliança ainda pediu para todas as partes no Afeganistão "trabalharem em boa fé para criar um governo inclusivo e representativo, incluindo a participação significativa de mulheres e grupos minoritários".

Após a reunião, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, reconheceu que a situação no Afeganistão é "difícil e imprevisível" e que a prioridade da organização é evacuar seus colaboradores para fora do país. "Esperamos que os talibãs permitam passagem segura para todos os estrangeiros e afegãos que queiram deixar o país", ressaltou.

Na última terça (17), Stoltenberg já havia admitido que o rápido avanço do Talibã surpreendera a aliança, mas culpando a própria classe política afegã pela vitória dos extremistas. "A liderança política afegã fracassou ao tentar encontrar uma solução política, e esse fracasso leva à tragédia que estamos vendo hoje", disse ele na ocasião.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade