1 evento ao vivo

Anão diplomático e americanos canibais: veja frases de 2014

9 dez 2014
07h56
atualizado em 5/12/2018 às 16h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Teve gente que "deu o que falar" em 2014 - em todos os sentidos. Seja para provocar e estremecer relações diplomáticas internacionais, seja para defender seus ideais, seja para deixar uma mensagem ao mundo, presidentes, políticos e personalidades marcaram o nosso ano com algumas frases construtivas, interessantes, bizarras ou polêmicas. Relembre 15 delas:

Yigal Palmor e o "anão"

Foto: Twitter

(Foto: Reprodução/Twitter)

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, criticou a postura do governo brasileiro de convocar o embaixador em Tel Aviv para consultas e publicar duas notas, em uma semana, considerando inaceitável a escalada da violência entre Israel e palestinos, dizendo que foi “uma demonstração lamentável de como o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua a ser um anão diplomático”, no dia 24 de julho.

Para piorar a situação, ele completou depois: "quando um jogo termina em empate você acha proporcional, e quando é 7 a 1 é desproporcional. Lamento dizer, mas não é assim na vida real e sob a lei internacional", fazendo uma referência à derrota da seleção brasileira para a Alemanha na Copa do Mundo 2014.

John Kerry e a China

Foto: Ronald Zak / Reuters

(Foto: Reuters/Ronald Zak)

 A "relação entre os Estados Unidos e a China é a mais importante do mundo atualmente", declarou o secretário de Estado americano, John Kerry, na terça-feira, 4 de novembro, pouco antes de uma viagem a Pequim.

Petro Poroshenko e os rebeldes

Foto: David Mdzinarishvili / Reuters

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirmou: “isso não foi um 'incidente'. Isso não foi uma 'catástrofe'. Isso foi um ato terrorista” no dia 17 de julho, após o avião da Malaysia Airlines (voo MH17) ter sido derrubado em Donetsk, reduto de separatistas pró-Rússia no leste do país.

Malala e as meninas da Nigéria

Foto: Darren Staples / Reuters

(Foto: Reuters/Darren Staples)

"Como podem prender as suas próprias irmãs e tratá-las tão mal? Eles ainda não estudaram o Alcorão", disse em 8 de maio sobre o sequestro das 200 jovens da Nigéria pelo grupo extremista islâmico Boko Haram.

Obama e a luta contra o EI

Foto: Larry Downing / Reuters

(Foto: Reuters/Larry Downing)

"A única linguagem que assassinos como esses entendem é a da força", declarou Obama durante seu discurso na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York, no dia 24 de setembro, pedindo apoio aos países na luta americana contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Jared Leto e a Venezuela

Foto: Jason Merritt / Getty Images

(Foto: Getty/Jason Merritt)

O ator e vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 2014 pediu paz à Venezuela - palco de conflitos e protestos este ano - durante a entrega da premiação, em 2 de março, nos Estados Unidos, dizendo: "a todos os sonhadores do mundo que estão vendo isso essa noite, quero lhes dizer: Venezuela, estamos aqui por vocês".

José Mujica e a imprensa latina

Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

(Foto: Reuters/Ueslei Marcelino)

O presidente do Uruguai disse que a vitória de Dilma fortalece a integração dos países latino-americanos e negou que a situação econômica brasileira preocupe a região. "Estamos acostumados a ler jornais da América Latina que sempre preveem que tudo vai ser derrubado. Mas os jornais dizem isso e como podemos ganhar as eleições?", afirmou Mujica, durante visita ao Brasil, em 7 de novembro, após o PT vencer eleições presidenciais.

Kim Jong-un e os canibais

Foto: KCNA / Reuters

(Foto: Reuters/KCNA)

“Os massacres cometidos pelos agressores imperialistas americanos em Sinchon demonstram claramente que são canibais e brutais assassinos que buscam o prazer no massacre”, declarou o líder supremo norte-coreano, durante sua visita a um museu na cidade de Sinchon, em 25 de novembro.

Gorbachev e o "Deus Putin"

Foto: Adam Berry / Getty Images

(Foto: Getty/Adam Berry)

"Putin sofre do mesmo que eu sofri então, de excessiva segurança em si mesmo. Ele é Deus. Ou, em qualquer caso, o braço-direito de Deus", disse o ex-líder da URSS durante o lançamento de seu livro “Depois do Kremlin”, em 20 de novembro.

Putin e a eterna Guerra Fria

Foto: AP

(Foto: AP)

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que "a Guerra Fria terminou, mas nunca houve um acordo de paz", ao citar as novas regras de jogo para as relações internacionais, e acusando os Estados Unidos de quererem impor ao mundo seus interesses no dia 24 de outubro.

Papa Francisco e os gays

Foto: Tony Gentile / Reuters

(Fotos: Reuters/Tony Gentile)

"A Igreja deve buscar e ver as razões que levaram alguns Estados a aprovar uniões civis entre pessoas do mesmo sexo em vez de condená-las", disse Francisco durante visita ao Brasil em 9 de março, ainda defendendo que os homossexuais sejam integrados na sociedade em vez de ser discriminados.

Estado Islâmico e os infiéis

Foto: Militant video / AP

(Foto: AP/Militant Video)

"Matem um infiel norte-americano ou europeu – especialmente um rancoroso e imundo francês", solicitou o líder do grupo terrorista Estado Islâmico, Abu Mohamed Al-Adnani, aos muçulmanos, em mensagem por meio da internet, no dia 22 de setembro.

James Foley e as orações

Foto: Facebook / Reprodução

(Foto: Reprodução/Facebook)

"Eu sei que vocês estão pensando em mim e rezando por mim. E eu sou muito grato. Sinto todos vocês de forma especial quando rezo. Eu rezo para vocês serem fortes e acreditarem. Eu realmente sinto que eu posso tocá-los mesmo nessa escuridão quando rezo”, escreveu o jornalista americano decapitado, James Foley, enviando sua última mensagem à família antes de morrer em agosto.

Bashar al-Assad e a cara vingança

Foto: Bogdan Cristel / Reuters

(Foto: Reuters/Bogdan Cristel)

"Em breve nós veremos que os países árabes, regionais e ocidentais que apoiaram o terrorismo também pagarão muito caro", disse o presidente sírio em discurso de posse, em 16 de julho, se referindo aos rebeldes do país – a quem chama de “terroristas”.

Ban Ki-moon e a 'presidenta' brasileira

Foto: Joshua Roberts / Reuters

(Foto: Reuters/Joshua Roberts)

"A população brasileira reconheceu a importância da redução da pobreza e da criação de oportunidades no Brasil”, disse o Secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, durante conversa com a presidente reeleita do PT, Dilma Rousseff, no dia 5 de novembro, cumprimentando-a pela vitória.

Veja também:

Covid-19, gripe ou resfriado? Confira os sintomas
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade