0

Militantes matam mais de 235 em ataque a mesquita no Egito

24 nov 2017
12h16
atualizado às 13h32
  • separator
  • comentários

Pelo menos 235 pessoas foram mortas e cerca de 109 ficaram feridas, nesta sexta-feira, em um ataque de militantes islâmicos com uma bomba e armas de fogo contra fiéis que oravam em uma mesquita no norte do Sinai, região conflagrada do Egito, informou a mídia estatal.

Foto: Reprodução

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque, o mais letal já cometido na região, onde forças de segurança combatem há três anos uma insurgência do Estado Islâmico que já matou centenas de policiais e soldados.

A mídia estatal mostrou imagens de vítimas ensanguentadas e corpos cobertos por mantas dentro da mesquita Al Rawdah, localizada em Bir al-Abed, a oeste da cidade de El Arish. 

A rede de televisão Al Arabiya e algumas fontes locais disseram que alguns dos fiéis eram sufis, que extremistas como os membros do Estado Islâmico veem como apóstatas por reverenciarem santos e santuários -- algo equivalente à idolatria para os islâmicos.

Atentado no Egito
Atentado no Egito
Foto: Reprodução

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, ex-militar que se posiciona como opositor da militância islâmica na região, convocou uma reunião de emergência de seu comitê de segurança logo depois do atentado, informou a TV estatal.

Os militantes têm visado principalmente as forças de segurança em seus ataques desde que a violência se agravou no Sinai depois de 2013, quando Sisi, então um comandante das Forças Armadas, liderou a deposição do presidente Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana.

Egito
Egito
Foto: Reprodução

Mas os jihadistas também têm atacado tribos locais do Sinai que estão trabalhando com as Forças Armadas, classificando seus membros como traidores por cooperarem com o Exército e a polícia.

Em julho deste ano, ao menos 23 soldados foram mortos quando carros-bomba atingiram dois postos de segurança militares no Sinai, um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico.

Foto: Reprodução

Os militantes vêm tentando se expandir para além da desolada e desértica Península do Sinai e agir no território continental densamente povoado do Egito, e já atacaram igrejas de cristãos coptas e peregrinos.

Em maio, atiradores atacaram um grupo copta que viajava a um monastério no sul egípcio, matando 29 pessoas.

Foto: Reprodução

Com informações da ANSA.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade