PUBLICIDADE

Há 30 anos, Alemanha abolia perseguição legal a homossexuais

11 jun 2024 - 05h27
Compartilhar
Exibir comentários

Em 11 de junho de 1994, parlamento alemão aboliu o "parágrafo gay", que por mais de 120 anos punia com prisão as relações entre pessoas do mesmo sexo.Patrick Dörr tinha apenas 10 anos quando algo histórico aconteceu na Alemanha: em 11 de junho de 1994, o parlamento alemão, o Bundestag, decidiu finalmente abolir o Parágrafo 175, que criminalizava o sexo entre homens. Tarde demais, "mas há 30 anos, os relógios na Alemanha ainda estavam funcionando de forma diferente em termos sociopolíticos", lembra Dörr, que é diretor federal da Associação de Lésbicas e Gays da Alemanha.

Por 123 longos anos, homossexuais sofreram na Alemanha. Mas desde 1994, muita coisa mudou para a comuniadade LGBT no país
Por 123 longos anos, homossexuais sofreram na Alemanha. Mas desde 1994, muita coisa mudou para a comuniadade LGBT no país
Foto: DW / Deutsche Welle

"Em 1994, a Alemanha ainda era um país onde não se falava muito sobre essas questões. Na escola não era tema, eu não conhecia ninguém mais que fosse LGBT. Na mídia também não havia quase ninguém que servisse de modelo. Isso mudou bastante, o que é uma coisa boa."

Mantendo a legislação nazista

A história do assim chamado "Parágrafo Gay" remonta ao século 19. A lei introduzida na fundação do Império Alemão, em 1871, punia com até seis meses de prisão a "fornicação não natural" entre homens.

Os nacional-socialistas intensificaram a perseguição: até mesmo um beijo ou um olhar lascivo bastavam para um homossexual parar na prisão. Casos de "fornicação grave" eram punidos com até 10 anos de cadeia. Cerca de 100 mil homossexuais foram deportados, torturados e assassinados durante o Terceiro Reich.

A República Federal da Alemanha (RFA) incorporou a versão nazista da lei sem grandes alterações, enquanto a República Democrática Alemã (RDA), sob governo comunista, voltou à versão antiga do Código Penal. Com grande afã e com a ajuda das "listas cor-de-rosa" dos nazistas, foram iniciados na RFA cerca de 100 mil processos contra homossexuais, metade dos quais foram condenados e sentenciados a longas penas de prisão.

Antes da reunificação do país, a supostamente atrasada Alemanha comunista conseguiu impor que as leis da antiga RFA não se tornassem leis da Alemanha reunificada, especialmente com relação ao Parágrafo 175 e ao aborto. Muitos especialistas têm certeza de que, sem a reunificação, a abolição do Parágrafo 175 teria levado ainda mais tempo..

Avanços

Por 123 longos anos, a vida foi um inferno para os homossexuais na Alemanha. Isso torna ainda mais surpreendente a velocidade dos avanços na área e o quanto foi conquistado em termos de direitos LGBT desde 1994.

"A Lei de Parceria Civil foi introduzida em 2001, depois o casamento para todos foi de fato introduzido por Angela Merkel em 2017. Desde 2018, há um terceiro gênero no Registro Civil. E, recentemente, também foi aprovada a Lei de Autodeterminação, permitindo que transexuais e intersexuais autodeterminem seu sexo ", diz Patrick Dörr.

O Parágrafo 175 continua sendo uma mancha vergonhosa na história alemã. Mas pelo menos os afetados, que foram condenados criminalmente, estiveram presos ou foram absolvidos, podem dar entrada até 2027 em pedidos de indenização, assim como quem comprovadamente sofreu desvantagens profissionais, econômicas ou relacionadas à saúde. Uma porta-voz do Ministério da Justiça da Alemanha confirmou à DW que um total de 353 pessoas havia apresentado um pedido dess até 1º de maio de 2024. E 262 pedidos de indenização foram aprovados.

"Deveria ter havido mais, definitivamente. Esperávamos 5 mil", comenta Georg Härpfer, ex-membro da diretoria da Federação Alemã de Representação dos Interesses de Idosos Homossexuais. "Mas a maioria dos que foram condenados em meados da década de 1950 a 1960 já estava morta. Outros disseram: 'Não tenho mais vontade de enfrentar isso, estou farto'. E outros ainda afirmaram que 6 mil euros, que é o maior pagamento de indenização, é muito pouco por uma vida destruída."

Härpfer é provavelmente quem, na Alemanha, mais se engajou pelas vítimas do Parágrafo 175. Como representante dos idosos gays, ele passou anos viajando de norte a sul, de leste a oeste da Alemanha, para informar os atingidos sobre seus direitos. Ele chegou a criar uma linha direta gratuita e não mediu esforços para alcançar seu público, fazendo anúncios mesmo em publicações distribuídas gratuitamente nas padarias e farmácias do país.

"Até mesmo um senhor de 99 anos enviou uma solicitação, mas ela foi rejeitada. Não se deve esquecer que o que criminalizava não eram só dois anos passados na prisão: as vítimas eram também socialmente proscritas por terem ficha criminal. Elas não conseguiam emprego ou eram demitidas se estivessem no serviço público."

Hostilidade em alta

E qual é a situação dos LGBTs na Alemanha atual, 30 anos após a abolição do Parágrafo 175? De acordo com o estudo internacional publicado no início de junho de 2024 pelo instituto de pesquisa de mercado e opinião Ipsos, uma clara maioria dos alemães - quase três quartos - é contra a discriminação da comunidade LGBT e a favor da igualdade de direitos. Entretanto, os posicionamentos anti-queer vêm aumentando entre os homens jovens.

"No clima social, que na verdade vem melhorando de forma constante nas últimas décadas, percebemos que, no mínimo, a discriminação parou. Realmente preocupante é que a geração Z está dividida. Os índices de aprovação de estilos de vida LGBT ainda estão aumentando entre as mulheres, mas caindo novamente entre os homens jovens. E isso, naturalmente, deve ser motivo de preocupação", relata Patrick Dörr.

O fato de que cerca de 1.500 crimes contra a orientação sexual foram registrados pela polícia em 2023 também se encaixa nessa tendência, que tem aumentado continuamente nos últimos 10 anos. Dörr também observou mais e mais agressões em eventos como o Dia do Orgulho Gay, assim como hostilidade nas ruas.

Essa não é a única razão por que, três décadas após o fim do Parágrafo 175, ele reivindica uma emenda do artigo 3º da Constituição alemã referente à igualdade de tratamento para todos.

"Os homossexuais e pessoas queer não são mencionados. Portanto, é absolutamente essencial que o Artigo 3º da Lei Fundamental seja finalmente alterado. E que fique claro que ninguém deve sofrer discriminação, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero."

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade