PUBLICIDADE

Guilherme Mazieiro

Não tem pão, água, energia: a rotina de brasileiros que não podem sair de Gaza

Nesta semana, houve a abertura da fronteira com o Egito para 621 pessoas de diferentes nacionalidades. Brasileiros ainda não saíram

3 nov 2023 - 09h56
(atualizado às 13h30)
Compartilhar
Exibir comentários
"Falta pão, água e energia", diz brasileiro preso em Gaza:

Com 28 dias de conflito intenso entre Israel e o Hamas, na Faixa de Gaza, as condições de vida das pessoas que estão na região palestina se agravaram a ponto de faltarem alimentos básicos e água. Quem faz este relato é o palestino naturalizado brasileiro, Hasan Rabee. Ele foi para Faixa de Gaza visitar parentes poucos dias antes dos ataques do Hamas, em 7 de outubro, e desde o início da guerra não consegue deixar o local.

“Saí para procurar água, alimentação [está] mais difícil, água mineral que teremos para hoje é pouca coisa só para hoje, no máximo. Infelizmente, muita gente passando fome na rua, não encontramos alimentação fácil no mercado: arroz, macarrão, farinha de trigo quase não existe mais. O pão não existe mais, gás, energia também, desde o primeiro dia de conflito até hoje não chegou energia”, disse em vídeo enviado à coluna na manhã desta sexta-feira, 3.

Homem lamenta enquanto palestinos buscam por vítimas após ataque de Israel no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza
Homem lamenta enquanto palestinos buscam por vítimas após ataque de Israel no campo de refugiados de Jabalia, em Gaza
Foto: REUTERS/Mohammed Al-Masri

Ele está em Khan Younis, cidade ao Sul de Gaza, próximo à fronteira com o Egito, e têm relatado ao Terra explosões, ataques próximos a sua casa e a rotina sob intensos bombardeios. Nesta semana, houve a abertura da fronteira com o Egito para algumas nacionalidades, 621 pessoas deixaram a área. Desde quarta, 31, diariamente a saída está sendo autorizada, em nenhuma das vezes houve permissão para brasileiros saírem. O governo Lula (PT) informou que trabalha para conseguir permissão para retirar os 34 brasileiros que estão na Faixa de Gaza.

“Recebemos notificação da prefeitura, até água encanada não tem previsão para chegar. Tristeza. Até hoje não tem notificação, nada indica quando a gente vai viajar e voltar para São Paulo. Acredito que a gente passa por um massacre, limpeza étnica contra o povo palestino”, disse Rabee.

No vídeo, também relatou que vê muitas pessoas na rua sem dinheiro e trabalho, em situação de pobreza.

A Organização das Nações Unidas (ONU) tenta viabilizar um acordo para pausa nos ataques, ainda sem sucesso, e avalia que o sob os ataques de Israel, o “povo palestino corre grave risco de genocídio".

Nesta quinta-feira, 2, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, um dos principais apoiadores de Israel mudou o tom das falas sobre o conflito e pediu uma “pausa” para retirada de prisioneiros sob poder do Hamas.

Fonte: Guilherme Mazieiro Guilherme Mazieiro é repórter e cobre política em Brasília (DF). Já trabalhou nas redações de O Estado de S. Paulo, EPTV/Globo Campinas, UOL e The Intercept Brasil. Formado em jornalismo na Puc-Campinas, com especialização em Gestão Pública e Governo na Unicamp. As opiniões do colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade