PUBLICIDADE

Guilherme Mazieiro

Entenda o tamanho do poder militar do Hamas e de Israel

Israel conta com apoio americano e Hamas usa táticas de guerrilha, aponta professor que estuda temas de Defesa e Segurança, Bernardo Wahl

24 out 2023 - 10h12
(atualizado às 10h13)
Compartilhar
Exibir comentários
De acordo com o Ministério da Defesa de Israel, esse sistema é capaz de bloquear 90% das ofensivas inimigas. O ataque do Hamas gerou contestações à eficácia do Domo de Ferro.
De acordo com o Ministério da Defesa de Israel, esse sistema é capaz de bloquear 90% das ofensivas inimigas. O ataque do Hamas gerou contestações à eficácia do Domo de Ferro.
Foto: IDF Spokesperson's Unit/Wikimedia Commons / Flipar

A cada dia que avança o conflito entre Israel e o Hamas surgem novas cenas de mortes e destruição de estruturas inteiras na Faixa de Gaza. Para dimensionar o poderio militar dos dois lados do conflito, a coluna e a repórter Karen Lemos entrevistaram o professor professor Bernardo Wahl, que dá aulas na disciplina Segurança e Defesa da Pós-Graduação de Política e Relações Internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) e no bacharelado de Relações Internacionais do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU-SP).

Ele destacou que o Hamas, grupo islâmico que controla a Faixa de Gaza, tem menos estrutura física (como abrigos para civis, defesa civil) e poder militar do que Israel. Assim, o grupo se vale de táticas de guerrilha. Já os israelenses, contam com equipamentos e apoio dos Estados Unidos. "A Força Aérea Israelense é particularmente poderosa e conta com aeronaves norte-americanas de ponta", contou. 

O retrato da análise do professor, sobre a falta de estrutura que os palestinos convivem, foi relatado nesta reportagem com Hasan Rabee. Ele é palestino naturalizado brasileiro e está em Gaza desde o começo do mês e não consegue deixar o local devido ao fechamento das fronteiras. Ele foi visitar parentes antes da escalada dos conflitos, no dia 7 de outubro, quando o Hamas promoveu a morte de mais de 1 mil israelenses e fez ao menos 200 reféns. A guerra já deixou, ao menos, 6 mil mortos.

Veja a seguir os principais trechos da entrevista feita por escrito, na noite desta segunda, 23.

Terra: Qual a estrutura bélica e estrutura militar que a Faixa de Gaza tem para enfrentar Israel?

Bernardo Wahl: O Hamas é uma organização militante fundada em 1987, controlando a Faixa de Gaza desde 2007. Alguns atores políticos o veem como um grupo terrorista, enquanto outros o percebem como uma força de resistência a Israel. A ala militar do Hamas, as Brigadas Izz al-Din al-Qassam, é responsável por conduzir operações militares e ataques contra Israel.

A estratégia militar do Hamas é caracterizada por uma combinação de táticas de guerrilha, guerra assimétrica e uso de recursos locais para resistir a Israel e buscar seus objetivos políticos na Faixa de Gaza.

  • Túneis Subterrâneos: uma das características distintivas da estratégia do Hamas é a construção de uma extensa rede de túneis subterrâneos em Gaza. Esses túneis têm múltiplos propósitos, incluindo o contrabando de armas e suprimentos, a mobilidade tática e o uso como bunkers e esconderijos durante conflitos. Eles representam uma parte fundamental da estratégia defensiva do Hamas.
  • Foguetes, Mísseis, entre outros: o Hamas mantém uma variedade de foguetes e mísseis, que são lançados em direção a Israel. Essas armas são usadas tanto como uma tática de dissuasão quanto para atacar alvos israelenses em resposta a ações militares. Ademais, o Hamas também possui metralhadoras, fuzis do tipo Ak-47, granadas, drones, paragliders, escavadeiras, etc.
  • Guerrilha Urbana: quando confrontado com incursões terrestres israelenses em áreas urbanas, o Hamas emprega táticas de guerrilha urbana. Isso envolve o uso de edifícios e áreas urbanas para emboscadas e confrontos, tornando a progressão das forças israelenses mais difícil.
  • Propaganda e Guerra de Informação: o Hamas usa uma estratégia de propaganda para ganhar apoio político e popular, tanto na Faixa de Gaza quanto internacionalmente. Eles buscam influenciar a opinião pública ao destacar a resistência palestina e moldar a narrativa do conflito.
  • Redes de Inteligência Local: o Hamas mantém redes de informantes locais para coletar informações sobre as atividades israelenses na fronteira e dentro de Gaza. Isso lhes permite antecipar operações israelenses e se preparar de acordo.
  • Adaptação Estratégica: o Hamas é conhecido por adaptar suas estratégias à medida que o conflito se desenrola. Eles buscam oportunidades táticas e exploram as fraquezas da parte israelense.

Terra: Como é o sistema de proteção e defesa na Faixa de Gaza durante ataques aéreos?

Existe uma grande diferença nas capacidades de defesa civil israelenses e palestinas. Israel investiu significativamente em sua infraestrutura de defesa civil, incluindo sistemas de alerta precoce, abrigos antiaéreos e o sistema Domo de Ferro, a fim de proteger seus cidadãos de ataques com foguetes.

Em contraste, a Faixa de Gaza não possui recursos semelhantes para proteção, e seus residentes frequentemente dependem de chamadas telefônicas ou mensagens de texto esporádicas das Forças Armadas de Israel para serem alertados sobre ataques iminentes. A diferença na defesa civil entre Israel e Gaza é atribuída, em grande parte, ao bloqueio imposto por Israel à Faixa de Gaza, que restringe o acesso a recursos e materiais para a construção de sistemas de defesa civil.

A falta de defesas em Gaza deixa seus civis em uma posição vulnerável, vivendo sob constante temor durante períodos de conflito. Enquanto Israel construiu uma extensa rede de abrigos e sistemas avançados de detecção e interceptação de foguetes, Gaza enfrenta uma situação oposta, com escassez de recursos e um bloqueio que limita severamente a capacidade de desenvolver defesas eficazes. Essa discrepância ressalta as desigualdades no impacto dos conflitos na região, colocando a população de Gaza em uma situação de grande vulnerabilidade.

Os palestinos têm onde se abrigar, como bunkers ou abrigos? Os diversos túneis que existem em Gaza podem servir como abrigo, por exemplo?

Não há abrigos antiaéreos civis na Faixa de Gaza. Esta região enfrenta uma situação precária em termos de defesa civil, com falta de proteção e recursos. Os palestinos em Gaza dependem de ligações telefônicas ou mensagens de texto do exército israelense para alertá-los sobre ataques iminentes, uma vez que não possuem sistemas de sirenes ou abrigos antiaéreos. A falta de defesa civil afeta não apenas os civis, mas também trabalhadores humanitários e médicos internacionais que recebem avisos esporádicos e momentâneos dos contra-ataques israelenses.

A situação é agravada pelos cortes de energia, que tornam ainda mais difícil receber alertas. Gaza não possui sistemas de defesa civil comparáveis aos de Israel, devido em grande parte ao bloqueio imposto à região, que restringe o acesso a recursos e materiais para construção de sistemas de defesa civil. A falta de defesa deixa os palestinos em Gaza vivendo em constante temor, sem entender por que suas casas são atacadas e sem os meios para se proteger.

Há sirenes para alertar ataques e sistema antimíssil como em Israel?

A Faixa de Gaza não tem um sistema de defesa civil semelhante ao sistema de sirenes e ao sistema antimíssil Domo de Ferro usado em Israel. A infraestrutura de defesa civil em Gaza é limitada, e os palestinos na Faixa de Gaza dependem, em grande parte, de alertas por telefone ou mensagens de texto do exército israelense para serem informados sobre ataques iminentes.

Como podemos dimensionar o tamanho da força militar de Israel e do Hamas? É possível?

Israel e o Hamas possuem capacidades e estratégias militares muito diferentes.

Israel:

  • Tecnologia Militar Avançada: Israel mantém uma das forças militares mais tecnologicamente avançadas do mundo. Possui equipamentos modernos, incluindo navios, tanques, helicópteros de ataque e uma grande frota de drones. A Força Aérea Israelense é particularmente poderosa e conta com aeronaves norte-americanas de ponta.
  • Mobilização de Reservistas: Israel possui um sistema robusto de reservistas, permitindo convocar um grande número de cidadãos para o serviço militar, aumentando sua força total de tropas quando necessário.
  • Apoio Econômico e Externo: Israel desfruta de apoio financeiro substancial para seus empreendimentos militares, com um orçamento de defesa considerável. Os Estados Unidos são um grande contribuinte, fornecendo bilhões de dólares em ajuda militar anualmente.
  • Dissuasão e Defesa: A estratégia militar de Israel concentra-se em manter uma força de dissuasão poderosa e uma postura defensiva sólida. O objetivo é proteger seus cidadãos e território e dissuadir possíveis adversários.
  • Ataques Precisos: Israel frequentemente utiliza ataques aéreos de precisão e operações direcionadas para eliminar ameaças específicas, buscando minimizar danos colaterais.

Hamas:

  • Guerra Assimétrica: O Hamas se especializa em guerra assimétrica, o que inclui táticas de guerrilha, ataques com foguetes e estratégias não convencionais para combater um adversário tecnologicamente superior, como Israel.
  • Túneis e Foguetes: O Hamas desenvolveu uma intrincada rede de túneis sob a Faixa de Gaza, que serve como meio de deslocamento de combatentes e lançamento de ataques surpresa. Além disso, eles acumularam um grande número de foguetes, tanto fabricados localmente quanto fornecidos por outros países, incluindo foguetes de longo alcance.
  • Guerra Urbana: Operando em áreas densamente povoadas, o Hamas utiliza táticas de guerra urbana para tornar difícil o envolvimento das Forças de Defesa de Israel sem causar baixas civis.
  • Apoio Financeiro: O Hamas obtém financiamento de diversas fontes, incluindo criptomoedas e redes globais envolvendo organizações de caridade. Essas fontes podem ser menos transparentes do que o apoio estatal tradicional.
  • Infraestrutura Militar Limitada: Em comparação com Israel, o Hamas possui uma infraestrutura militar convencional mais limitada, mas depende de táticas assimétricas, como ataques relâmpago e estratégias de esquiva.

Em resumo, Israel possui um exército altamente avançado, enquanto o Hamas se baseia em táticas de guerrilha e guerra assimétrica dentro das limitações de um ambiente urbano densamente povoado. Suas estratégias refletem a grande disparidade de recursos e capacidades entre as duas partes.

Fonte: Guilherme Mazieiro Guilherme Mazieiro é repórter e cobre política em Brasília (DF). Já trabalhou nas redações de O Estado de S. Paulo, EPTV/Globo Campinas, UOL e The Intercept Brasil. Formado em jornalismo na Puc-Campinas, com especialização em Gestão Pública e Governo na Unicamp. As opiniões do colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade