PUBLICIDADE

Empresas apostam em compensação ambiental para cumprir PNRS

Política Nacional de Resíduos Sólidos prevê que o setor público e privado realizem a gestão de resíduos; empresário explica por que uma empresa deve adotar práticas sustentáveis

1 dez 2021 17h15
ver comentários
Publicidade

Instituída pela Lei nº 12.305 em 2 de agosto de 2010, a PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos) completou dez anos em 2020. A medida tem como objetivo principal o gerenciamento dos resíduos sólidos no Brasil, determinando que o setor público e privado realizem a gestão de resíduos para evitar que esses materiais sejam destinados aos lixões de forma incorreta.

Foto: DINO / DINO

Consoante a esta determinação legal, em fevereiro do ano passado, foi publicado o Decreto n. 10.240, estabelecendo o início de um prazo para a implementação de um sistema de logística reversa de produtos eletroeletrônicos. O referido Acordo Setorial para a Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos prevê que empresas instalem mais de 5 mil postos de entrega voluntária no país até 2025.

Na visão de Érico Staniscia Bitto, CEO da Big Beauty - empresa que atua com a fabricação e o comércio de cosméticos, perfumaria e higiene pessoal -, entre outros benefícios, a adoção de práticas sustentáveis pode agregar valor à marca.

"As empresas brasileiras não devem medir esforços para atuar conforme as exigências atuais de sustentabilidade. Além de contribuir para a preservação do meio ambiente, é muito importante patrocinar e apoiar redes de reciclagem por meio de projetos que mobilizem a sociedade como um todo, gerando valor e autoridade", afirma Bitto. 

Por que uma empresa deve adotar práticas sustentáveis?

Bitto explica que a compensação ambiental é um caminho a ser escolhido em busca da sustentabilidade. "Em primeiro lugar, porque hoje é obrigatório, ainda que a grande maioria das empresas desconsideram esse fator. Além do mais, a adoção de práticas sustentáveis tem o objetivo de garantir que não faltem matérias-primas, como já vem ocorrendo".

Para além do valor intangível, segundo o CEO da Big Beauty, a adoção de práticas sustentáveis e ecológicas pode levar a um faturamento maior. "Ao investir em ações socioambientais, um negócio coloca em funcionamento uma corrente de interesses, o que, por sua vez, movimenta tanto o marketing como as vendas".

A análise do empresário é corroborada com números do relatório da Aflac (American Family Life Assurance Company), companhia de seguros norte-americana, que revela que 77% dos consumidores dos Estados Unidos estão mais dispostos a comprar de uma empresa com uma promessa de RSE (Responsabilidade Social Empresarial) - negócios que buscam realizar suas atividades de forma ética, considerando aspectos culturais da natureza, da saúde, da economia e da educação.

"No Brasil, o cenário não é diferente: 87% dos consumidores preferem produtos e serviços de empresas sustentáveis, sendo que 70% das pessoas, inclusive, não veem problema em pagar um pouco mais por isso", complementa Bitto, citando dados de um estudo da agência de pesquisa norte-americana, Union + Webster, divulgado pela Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Selo EuReciclo

O CEO destaca que a Big Beauty conquistou a certificação do selo EuReciclo, graças à compensação ambiental do plástico gerado.

O selo é um atributo de comunicação que indica que uma empresa investe para que as cooperativas e operadores privados coletem embalagens equivalentes às que foram comercializadas por elas, e as destinem para reciclagem.

"Vivemos em uma era em que as matérias-primas estão ficando cada vez mais escassas. Por isso, a reciclagem é um dos melhores caminhos a serem trilhados pelas empresas para ajudar a diminuir os danos causados pelas extrações de matérias-primas e também ao combate da poluição em impactar no consumo".

Para mais informações, basta acessar: http://bigbeauty.com.br/



Website:

http://bigbeauty.com.br/
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
Publicidade
Publicidade