0

Em vídeo, petistas explicam diferença entre 'Fiesp de Skaf' e 'FIES de Lula'

Pesquisas qualitativas encomendadas pelo PT mostram que muitos jovens dizem que vão votar em Paulo Skaf (MDB), presidente licenciado da Fiesp, pensando que ele é o responsável pelo FIES

18 jul 2018
18h13
  • separator
  • 0
  • comentários

Apoiadores do pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PT, Luiz Marinho, divulgaram nesta quarta-feira um vídeo no qual explica as diferenças entre a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil). Pesquisas qualitativas encomendadas pelo PT mostram que muitos jovens dizem que vão votar em Paulo Skaf (MDB), presidente licenciado da Fiesp, pensando que ele é o responsável pelo FIES.

" Fiesp é a Federação das Indústrias, da propaganda do Skaf, aquele do pato, do partido do (Michel) Temer. Bem diferente de FIES, criado nos governos do PT e que Temer cortou pela metade", diz a propaganda petista.

O ex-prefeito de São Bernardo e pré-canditado do PT ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, com as delegadas do encontro estadual e pré-candidatas a deputadas pelo partido.
O ex-prefeito de São Bernardo e pré-canditado do PT ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, com as delegadas do encontro estadual e pré-candidatas a deputadas pelo partido.
Foto: Facebook/Luiz Marinho. / Estadão

Skaf é o segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto para o governo de São Paulo atrás de João Doria (PSDB) e na frente do atual governador, Marcio França (PSB) e de Marinho.

No vídeo divulgado hoje, o PT pede que os eleitores busquem mais informações sobre os candidatos e viuncula Skaf à campanha "Não vou pagar o pato", da Fiesp, contra o aumento de impostos e a volta da CPMF, em 2015, mas que se tornou um dos símbolos das manifestações pelo impeachment da presidente cassada Dilma Roussef.

"Informe-se, pesquise, não deixe este tipo de político te levar no bico", diz a propaganda do PT.

O pré-candidato do MDB ao governo preside a entidade que reúne as principais indústrias do País desde 2014 e já foi investigado por uso político da Fiesp.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade