PUBLICIDADE

Nobel de economia afirma que Brasil deve apostar em matemática e estatísticas no ensino médio

David Card diz que IA pode ajudar na questão educacional

25 fev 2024 - 16h48
(atualizado às 18h08)
Compartilhar
Exibir comentários
David Card, um dos três vencedores do Nobel de Economia de 2021
David Card, um dos três vencedores do Nobel de Economia de 2021
Foto: Berkeley/ Divulgação (via Reuters) / Estadão

David Card, vencedor do Nobel da Economia em 2021, afirma que o Brasil deveria focar em matemática e estatística no Ensino Médio, em uma entrevista sobre como a inteligência artificial pode impactar nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática. O tema foi abordada com o jornalista Caio Reis, da Folha de S. Paulo

Card é professor de economia da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos, e relatou que ainda é difícil saber qual o efeito a IA poderá acarretar, pois a tecnologia ainda seria como “uma criança de cinco anos extremamente brilhante", que se limita a fazer imitações complexas.

“Ela pode reproduzir e fazer frases e parágrafos completos. Mas o que ela está fazendo é essencialmente criar cópias complicadas. Então, se tudo o que você exigir dela é reter e reafirmar fatos de outras maneiras, ela é muito boa”, explica. 

Segundo ele, em nosso País, a aposta no desenvolvimento do ensino de matemática e estatística para os adolescentes que estão no Ensino Médio, quase rumando para a faculdade, e a IA pode ajudar nesse processo. 

“É possível que auxilie no ensino, no desenvolvimento de habilidades matemáticas. Há muitas pesquisas sobre isso agora. Uma máquina com IA pode interagir com outro computador e exibir um diagrama tridimensional, para que você possa ver como ele funciona e interpretá-lo. Presumo que assim a IA será útil na educação”, aponta. 

Ao ser questionado se concorda que a IA ameaça muitas carreiras, o professor explica que é possível, mas ainda há o que ser compreendido. Segundo ele, os avanços podem implicar numa menor necessidade de profissionais de algumas áreas. Como exemplo, ele cita programadores e analistas, além de artistas. “Acho um pouco incerto dizer exatamente onde esses efeitos serão sentidos”, reafirma. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade