PUBLICIDADE

Menina brasileira é agredida na porta da escola em Portugal; 'Fiquei desesperada', diz mãe

Vídeo com cenas violentas viralizou nas redes sociais e provocou indignação na população local

26 fev 2024 - 12h33
(atualizado às 13h02)
Compartilhar
Exibir comentários
Menina brasileira é agredida na porta da escola em Portugal
Menina brasileira é agredida na porta da escola em Portugal
Foto: Reprodução

Uma estudante brasileira de 14 anos foi agredida em frente a Escola Básica Mem Ramires, onde estuda, em Santarém, Portugal. O vídeo com cenas violentas viralizou nas redes sociais e provocou uma enorme indignação na população local, segundo o jornal português Correio da Manhã.

A mãe da jovem, a brasileira Lucélia Marília Oliveira, contou que ficou sabendo da violência enquanto estava trabalhando em um restaurante. "Disseram: 'Marília, olha a tua filha na TV'. Senti vergonha. Quando vi o vídeo, que já havia recebido sem saber que era minha filha, fiquei desesperada", afirmou em entrevista ao blog Portugal Giro, no jornal O Globo. 

Segundo Lucélia, a agressora é uma estudante portuguesa de outra escola e também teria 14 anos. Ela contou que a briga aconteceu porque a menina teria ouvido uma fofoca sobre a mãe dela e foi tirar satisfação.

"Minha filha diz que inventaram fofoca sobre a mãe da agressora e, por causa disso, ela foi tirar satisfação. Ficou esperando a hora da saída, às 18h30, com uma amiga, que filmava enquanto ela batia", relatou.

Lucélia revelou que a filha está com hematomas e não quer sair de casa, com vergonha. De acordo com ela, uma queixa já foi apresentada e ela irá à delegacia com a menina. "Nada teria acontecido se houvesse policiamento na porta das escolas. E se ela estivesse armada? Eu venho de uma favela de Fortaleza e vi muita coisa, mas nunca pensei em ver violência com minha filha em Portugal", desabafou a mãe.

Lucélia contou ainda que a filha já sofreu ameaças e xenofobia na escola. "Minha filha quer ir embora para o Brasil, sofre com o preconceito e pede socorro. Mas não penso em ir embora, penso que as coisas têm que mudar."

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade