Professores mostram livros de Paulo Freire para Weintraub

Ministro rebateu dizendo que o "único lugar" que segue Paulo Freire é o Brasil

25 mai 2019
12h04
atualizado às 12h25
  • separator
  • comentários

Em encontro com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, um grupo de professores que venceu o prêmio "Professores do Brasil" levantou livros de Paulo Freire durante fotografia oficial. Entre os 30 professores presentes ao evento, em um hotel de Pinheiros, ao menos 8 tinham o livro de Paulo Freire em mãos - alguns ergueram seus exemplares durante a foto ao lado do próprio ministro. 

Ministro da Educação, Abraham Weintraub
Ministro da Educação, Abraham Weintraub
Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

"Foi uma manifestação respeitosa e silenciosa. Soubemos ontem (sexta) que ele participaria do encontro. Então, pensamos em colocar a nossa posição contra corte de recursos para as universidades. E também mostrar a importância do educador Paulo Freire", comentou a professora Ana Beatriz Maciel, 34 anos.

Questionado sobre a manifestação dos professores, Weimtraub disse respeitar opiniões diferentes das dele. " Ela tem o direito de dizer 'Viva Paulo Freire'. Eu também tenho o direito de dizer que o único lugar que segue Paulo Freire é o Brasil. Quando você tem uma pesquisa que é boa, um antibiótico, uma aspirina ou um avião, os outros tendem a copiar. Ninguém quis copiar Paulo Freire e nossos resultados são ruins." 

Criado pelo Ministério da Educação, o prêmio tem o objetivo de valorizar, reconhecer, divulgar e premiar o trabalho dos professores da rede pública nacional. Os premiados são docentes de todo o Brasil, que seguirão para Quebec e Ottawa, no Canadá. Lá trocarão experiências e farão uma imersão na educação e cultura locais. A premiação é uma parceria com o Colleges and Institutes Canadá (CICan), que assumiu os gastos da viagem.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade