Com caixões, médicos fecham av. Paulista e protestam contra o governo

Entidades de classe ameaçam ir à Justiça contra serviço obrigatório de médicos recém-formados no SUS

16 jul 2013
16h56
atualizado em 17/7/2013 às 07h55
  • separator
  • 0
  • comentários

Mais de mil manifestantes contrários ao programa Mais Médicos foram às ruas de São Paulo nesta terça-feira em um protesto que durou quase três horas e terminou na avenida Paulista, no centro da cidade. Os manifestantes, em sua maioria médicos e estudantes de medicina, também protestaram contra a "importação" de profissionais da saúde de outros países sem realização de um exame para a validação do diploma no País; criticaram a aplicação da prova Revalida (voltada para formados fora do Brasil) a estudantes graduados em instituições brasileiras; e pediram a aprovação de um projeto de lei que determina que a União invista 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em saúde pública.

"De repente, o problema da saúde pública no Brasil não é mais a falta de investimento: é a falta de médicos. Mas a falta de médicos é justamente uma consequência da falta de investimentos em saúde pública", disse o presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), Renato Azevedo Junior, em entrevista concedida antes da passeata.

O presidente do Cremesp também fez críticas ao ministro Alexandre Padilha (Saúde), que na semana passada anunciou que irá encaminhar para votação no Congresso uma Medida Provisória para que os recém-formados em medicina passem dois anos trabalhando exclusivamente no Sistema Únido de Saúde (SUS), para só então obter o registro profissional.

"Qualquer coisa de caráter obrigatório não funciona", disse. Segundo Azevedo, o Cremesp e outras entidades de classe nacional estudam ir à Justiça contra a medida, que consideram "inconstitucional", e pretendem ajuizar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), caso a MP passe no Legislativo.

"O Executivo está querendo legislar sem debater com ninguém. O assunto nem poderia ser regido por uma MP, porque não é urgente, já que vale a partir de 2015 (se aprovada)", completou.

O Cremesp também defendeu a criação de um plano de carreira para os médicos que se dedicam a trabalhar no SUS, principalmente em regiões de difícil acesso. "O médico, de repente, se tornou o vilão desse sistema, mas quando na verdade ele é a vítima. Os médicos não vão aos locais de difícil acesso porque não tem infraestrutura", reclamou.

Caixões e bloqueio da av.Paulista
O protesto começou por volta das 17h na rua da Consolação, no centro da capital paulista, e percorreu algumas das principais vias da cidade. O plano inicial era de que o protesto terminasse no Largo São Francisco, mas os manifestantes continuaram a passeata até a avenida Paulista, contrariando a orientação do Cresmesp, que na entrevista havia dito que evitaria a região devido ao número de hospitais próximo àquela avenida.

A manifestação ocorreu de maneira pacífica, com duras críticas ao governo federal. Durante o percurso, os manifestantes carregaram três caixões com as fotos da presidente Dilma Rousseff e dos ministros Alexandre Padilha e Aloizio Mercadante (Educação).  No trajeto, os manifestantes entoavam frases de efeito, como: "Ei, Dilma, vai tratar no SUS" e "Fora, Padilha". Também cantaram o hino nacional diversas vezes.

A categoria agora pretende realizar uma nova manifestação de caráter nacional no próximo dia 8 de agosto, e promete fazer mais manifestações nas ruas, caso o governo não recue das medidas anunciadas.

Colaborou com esta notícia o internauta Fernando Souza, de São Paulo (SP), que participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

Veja também:

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade