Adolescente de 13 anos confirmada com coronavírus é aluna do colégio Bandeirantes

Escola diz que estudante não foi às aulas desde que voltou de viagem da Itália

5 mar 2020
18h55
atualizado às 21h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

SÃO PAULO - A adolescente de 13 anos confirmada com coronavírus é estudante do colégio Bandeirantes, na zona sul de São Paulo. A escola, uma das mais tradicionais da capital, enviou comunicado aos pais para tranquilizar sobre a situação. A estudante não frequentou as aulas desde que voltou de viagem da Itália.

A menina ainda não apresentou nenhum sintoma da doença e está sendo observada em casa.

O Brasil tem oito casos confirmados do novo coronavírus e já há transmissão local da doença, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira, 5, pelo Ministério da Saúde. São seis em São Paulo, 1 no Rio de Janeiro e outro no Espírito Santo.

A confirmação do coronavírus na jovem foi feita pelo ministério na manhã desta quinta, depois de uma controvérsia em como classificar o caso, já que ela não apresentou os sintomas da doença. Depois de uma reunião com especialistas, o ministério decidiu considerar como confirmado, levando em conta quatro elementos: resultado do exame, local provável de infecção (a jovem esteve na Itália), possibilidade da medicação após tratamento de uma lesão ter mascarado os sintomas e possibilidade de ela ainda ter sintomas nos próximos dias.

Governo recomenda higienização frequente das mãos para evitar avanço do vírus
Governo recomenda higienização frequente das mãos para evitar avanço do vírus
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil / Estadão

Segundo Mauro Aguiar, diretor do Bandeirantes, a família retornou da Itália no domingo, 1º, e mesmo sem apresentar sintomas procurou atendimento médico no Hospital Beneficiência Portuguesa para realizar testes do coronavírus. As amostras coletadas foram encaminhadas ao Laboratório Fleury. Os exames dos pais e do irmão da jovem foram negativos. Apenas o dela foi positivo. "Os pais dela são médicos e foram muito prudentes em procurar um hospital assim que chegaram ao Brasil", contou.

"A família faz questão de reforçar que a filha só voltara às aulas quanto tiver alta e não houver mais nenhum risco de contágio", diz o comunicado enviado pela escola.

Na Itália, a jovem sofreu um acidente leve esquiando e precisou ser atendida em um hospital, onde a família suspeita que pode ter sido infectada. Como tomou medicamentos para a lesão, os médicos acreditam que eles possam ter mascarado os sintomas do coronavírus.

Segundo Aguiar, não há motivo de preocupação para os demais alunos já que a jovem está em casa e não frequentou a escola após a viagem. Ele disse que a decisão de enviar um comunicado aos pais foi para evitar pânico e não criar nenhum constrangimento à adolescente quando retornar ao colégio. "A maioria dos pais compreende bem a situação, os alunos também estão bem informados. Não acredito que haverá nenhum problema ou pânico. Estamos tranquilizando os pais e comunicando a situação com tranquilidade", disse.

Recomendação

Na semana passada, ao menos cinco colégios particulares de São Paulo enviaram comunicados aos pais e alunos recomendando quarentena em casos de famílias que voltaram de países atingidos pela doença ainda que não apresentassem nenhum sintoma do coronavírus. O pedido, no entanto, vai contra o que determina tanto o Ministério da Saúde quanto as secretarias estaduais.

O ministério e as secretarias não recomendam o isolamento ou quarentena de pessoas que não tenham apresentado sintomas ainda que tenham viajado para os países com surto da doença. O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, disse nesta segunda-feira que em "nenhum momento" o governo orienta pessoas a não irem à escola ou trabalho em função da epidemia do novo coronavírus.

"Se voltou de viagem com local de coronavírus, por bom senso, precisamos ficar atentos a condição de saúde, reforçar hábitos de higiene, mas isso é para qualquer um. Caso apresente sintomas, procure unidade de saúde. Em nenhum momento estamos falando para pessoas não irem ao trabalho ou escola", disse o secretário.

Veja também:

"Eu pensei: 'Vou morrer?'": a noiva surpreendida durante ensaio pela explosão no Líbano
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade