1 evento ao vivo

Estudo mostra eficácia e segurança em nova opção de aplicação de Kyprolis® (carfilzomibe) para tratar mieloma múltiplo recidivado ou refratário

11 jul 2018
12h41
  • separator
  • comentários

A Amgen, biofarmacêutica focada em doenças de difícil tratamento, divulgou este mês os resultados do estudo clínico de fase 3 ARROW, que avaliou os benefícios do tratamento de Kyprolis® (carfilzomibe) com aplicação semanal para pacientes com mieloma múltiplo recidivado ou refratário. A nova opção de aplicação traz mais conveniência para os pacientes durante o tratamento, mantendo os parâmetros de segurança e com respostas superiores de sobrevida livre de progressão e resposta global. Os dados foram apresentados durante o Congresso da American Society of Clinical Oncology (ASCO) e publicado simultaneamente no The Lancet Oncology.

"Os inibidores do proteassoma, como Kyprolis®, são essenciais no tratamento de pacientes com mieloma múltiplo e ajudaram a melhorar os resultados dos pacientes", afirmou a Dra. Maria-Victoria Mateos, PhD, diretora da unidade de mieloma na University Hospital of Salamanca-IBSAL, em Salamanca, Espanha. "O estudo clínico ARROW demonstrou que, quando administrado uma vez por semana, na maior dose, de 70 mg/m2, com dexametasona, o medicamento atingiu sobrevida sem progressão e taxas de resposta gerais superiores, com perfil de segurança comparável, em relação ao regime duas vezes por semana".

O estudo ARROW incluiu 478 pacientes com mieloma múltiplo recidivado ou refratário, que receberam duas ou três linhas de terapia anteriores, incluindo um inibidor do proteassoma e um agente imunomodulador (IMiD). Os dados apresentados mostraram que os pacientes tratados com uma aplicação semanal de Kyprolis® (dose de 70mg/m2) combinada com dexametasona atingiram uma melhora de 3,6 meses de sobrevida livre de progressão em comparação ao uso de Kyprolis® duas vezes por semana (dose de 27mg/m2) combinada com dexametasona (11,2 meses versus 7,6 meses). A resposta global nos pacientes que receberam o tratamento semanal foi de 62,9% versus 40,8%. Além disso, 7,1% apresentaram respostas completas ou melhores no grupo de uma vez por semana, em relação a 1,7% no grupo de duas vezes por semana nesta população de pacientes refratários.

Os perfis de segurança gerais dos dois grupos foram comparáveis, não sendo identificado nenhum risco de segurança novo no grupo de uma vez por semana. Os eventos adversos decorrentes do tratamento relatados com maior frequência (superior ou igual a 20%) em qualquer grupo de tratamento foram anemia, diarreia, fadiga, hipertensão, insônia e pirexia.

Kyprolis® já está aprovado no Brasil desde junho de 2016 para uso isolado ou em combinação com dexametasona.

Sobre o Mieloma Múltiplo
O mieloma múltiplo é um câncer incurável do sangue, caracterizado por um padrão recorrente de remissão e recidiva. Trata-se de uma doença rara e com risco à vida, responsável por aproximadamente 1% de todos os cânceres. No mundo, aproximadamente 114.000 pessoas apresentam o diagnóstico de mieloma múltiplo a cada ano e são relatadas 80.000 mortes de pacientes anualmente.

Sobre o KYPROLIS® (carfilzomibe)
Proteassomas desempenham um papel importante na função e crescimento celular ao quebrar proteínas que estão danificadas ou que não são mais necessárias. Kyprolis mostrou bloquear proteassomas, levando ao acúmulo excessivo de proteínas dentro das células. Em algumas células, Kyprolis pode causar morte celular, especialmente em células do mieloma, porque elas são mais propensas a conter uma quantidade superior de proteínas anormais.

No Brasil, o medicamento está aprovado em combinação com dexametasona para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam de um a três tratamentos prévios, ou como um agente isolado, indicado para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo recidivado ou refratário que tenham recebido pelo menos duas terapias prévias que incluíram bortezomibe e um agente imunomodulador.



Website: http://www.amgen.com.br
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade