4 eventos ao vivo

Estudo anual de empresa tecnológica aborda o uso da tecnologia na educação

27 mai 2020
17h00
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Pelo quinto ano consecutivo, a BlinkLearning, empresa de tecnologia especializada no desenvolvimento de soluções para educação, publica os resultados do Estudo Anual sobre o uso da tecnologia na sala de aula. O papel das TIC na educação, a profissão docente, a aprendizagem dos alunos e uma visão geral do estado da educação na perspectiva dos educadores são os temas enfocados neste estudo realizado na Argentina, Colômbia, México, Peru e Espanha.

Foto: DINO / DINO

O relatório mostra uma fotografia do estado da tecnologia nas salas de aula antes da suspensão das escolas devido à COVID-19 na América Latina. Dessa forma, na Argentina (70%), México (57%) e Peru (55%), o principal desafio para melhorar a educação está na formação de professores. Por outro lado, em relação à Colômbia, a questão mais premente está nas condições de trabalho dos professores (56%).

E como principal medida para melhorar o ensino, com percentuais semelhantes (entre 38% e 44%), os professores dos quatro países acreditam que seria a adoção de uma educação abrangente que leve em consideração a educação emocional.

Dispositivos na aula

O telefone celular é o protagonista incontestável no ensino de conteúdo digital nas salas de aula. A Colômbia é o país que mais utiliza celulares (66%), seguida pela Argentina (61%), México (49%) e Peru (44%). No Peru e na Colômbia, os telefones celulares substituíram os PCs / notebooks, que diminuíram quase 50% em comparação com o estudo anterior (2018).

Novas tecnologias e interesses

Cerca de 70% dos professores garantem que a motivação na sala de aula aumenta com as TIC. A principal vantagem pedagógica derivada de seu uso é o acesso a um número maior de conteúdo, como mostram os resultados na Colômbia (62%), México (64%) e Peru (51%), enquanto na Argentina (60%), a maior vantagem está em aprender a se comunicar usando diferentes idiomas. Além disso, a maioria dos professores (89/95%) recomendaria a outro colega que iniciasse um projeto digital em seu centro educacional.

Para professores na Colômbia, México e Peru, os alunos são altamente influenciados pelas redes sociais. Para a Argentina e o Peru, a principal mudança no interesse dos estudantes se deve ao fato deles passarem mais tempo sozinhos, por isso dependem mais de novas tecnologias. Nos quatro países, os professores consideram que os alunos concentram sua atenção em aspectos da vida real, no que interessa aos colegas e em tudo relacionado à tecnologia.

Em geral, nos quatro países, a aceitação das famílias ao iniciar um projeto digital é média. Os maiores percentuais de aceitação estão na Argentina e na Colômbia, com 42%.

Déficits e deficiências acadêmicas

Nos quatro países que sondamos, os problemas de conectividade e a formação de professores no manuseio de dispositivos e no uso de aplicativos são os maiores desafios no uso da tecnologia nas salas de aula. No Peru (44%) e Argentina (49%), a falta de dispositivos suficientes para todos os professores e alunos é o maior obstáculo.

Da parte dos alunos, os principais problemas identificados se devem à incapacidade de selecionar fontes confiáveis de informação (40 a 48%) e a falta de criatividade para extrair o potencial máximo das ferramentas utilizadas (30 a 36%).

O papel do professor na sociedade

O estudo mostra como mais de 50% dos professores inquiridos ainda sentem que seu trabalho não é suficientemente valorizado pela sociedade.

Apesar disso, mais de 40% gostam de seu trabalho e sentem-se motivados. Na Colômbia (31%), México (36%) e Peru (32%), a reivindicação salarial aparece como uma melhoria da motivação profissional. E os quatro países concordam que a formação contínua seria a melhor prática para melhorar a educação de novos professores.

Conscientes de que o professor é a chave para qualquer processo de aprendizagem, a BlinkLearning promove desde 2017 o Movimento #Realinfluencers, uma iniciativa que visa valorizar a figura do educador na sociedade moderna.

Sobre a pesquisa

O objetivo do questionário deste ano, como em anos anteriores, foi identificar tendências e registrar a evolução dos hábitos tecnológicos dos alunos ao longo desta meia década, bem como as necessidades dos professores.

Ao longo destes cinco anos, o tamanho da amostra e o número de países participantes aumentaram. Este ano, a Argentina se une à Espanha, México, Colômbia e Peru em um total de 3.268 professores pesquisados, cobrindo todos os tipos de escolas e estágios educacionais. Todos os resultados podem ser encontrados no V Estudio sobre el uso de la tecnología en la educación.

Sobre a BLINKLEARNING

A BlinkLearning é uma empresa de tecnologia especializada no desenvolvimento de soluções para a educação. Por meio da plataforma, professores e alunos acessam mais de 15.000 livros digitais de mais de 90 editoras educacionais nacionais e internacionais, acessíveis em qualquer dispositivo, on-line e sem conectividade.

Em outubro de 2015, a BlinkLearning foi destacada pela revista Forbes USA como uma das 10 empresas essenciais em tecnologia aplicada à educação em todo o mundo. Nesse mesmo ano, a primeira edição do Estudo TIC foi lançada em sala de aula. E em abril de 2018, foi incluída na classificação FT 1000, a lista das empresas que mais crescem na Europa, produzida pelo Financial Times.

Este ano, com mais de dois milhões e seiscentos mil usuários ativos (um crescimento de mais de um milhão de novos usuários nos dois últimos meses), a BlinkLearning se posiciona entre as 100 páginas mais visitadas da Espanha segundo o ranking de Alexa, e se posiciona como a plataforma educativa eleita para fazer frente às aulas à distância.

Recursos adicionais

Relatórios de Argentina, Colômbia, México, Peru e Espanha.

Estudo do ano 2019: em inglês aquí.

Para mais informação: BlinkLearning e movimiento Realinfluencers.



Website: https://www.blinklearning.com/home?blinklang=BR

Veja também:

'Sou acusada de sequestrar meu próprio filho branco adotado'
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade