0

Especialista explica o que é a Síndrome do Edifício Doente

Com a proximidade do inverno, doença que já está presente em 30% dos prédios ao redor do mundo pode atrapalhar muita gente

5 jun 2018
17h27
atualizado em 6/6/2018 às 10h22
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O inverno ainda não começou, mas algumas cidades já sentem a chegada de frentes frias, com temperaturas mais baixas. Com a proximidade da nova estação, que terá início em 21 de junho, as pessoas tendem a se concentrar mais em locais fechados. Com aglomerações em ambientes mal arejados, pode surgir um inimigo pouco conhecido: a Síndrome do Edifício Doente (SED). O problema - que já está presente em 30% dos edifícios no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) - pode causar desde irritação nasal e ocular até dificuldades respiratórias, dores de cabeça e febre nos ocupantes destes locais.

A doença está intimamente associada a fatores como falta de impermeabilização, higienização e falta de manutenção no sistema de ar-condicionado. Altas concentrações de monóxido de carbono (CO) e cheiro de tinta também facilitam o surgimento da SED. Com as pessoas habitando por mais tempo locais fechados para fugir do sereno, mais indivíduos manifestarão a doença.

Segundo o coordenador técnico do Brasil Sem Alergia, o médico Marcello Bossois, identificar a SED não é lá tão simples: "Por recomendação da OMS, o diagnóstico se faz pela presença de dois ou mais sintomas, que se manifestam pelo menos duas vezes por semana, no interior do prédio, e diminuem quando a pessoa deixa o ambiente em questão", explica. "Em geral, as pessoas vão levar muito tempo para perceberem que os sintomas estão relacionados ao ambiente em que estão", comenta o especialista.

Com o passar do tempo, a SED pode evoluir para casos mais graves de saúde. "Por si só, a Síndrome do Edifício Doente - que, segundo estimativas, está presente em cerca de 50% dos prédios no Brasil - já pode levar a quadros de rinites, faringites e laringites. Quando mal tratada, a doença pode desencadear o surgimento de infecções das vias inferiores (como asma brônquica) e pneumonia", alerta Dra. Patrícia Schlinkert, que também integra o Brasil Sem Alergia. Além disso, a própria exposição aos fatores que causam a SED - como infiltrações, má qualidade do ar, ácaros e poeira - pode provocar ou agravar quadros de alergias respiratórias e/ou dermatológicas. Hoje, cerca de 35% dos brasileiros têm algum tipo de alergia, de acordo com o Ministério da Saúde.

Veja 7 dicas para evitar a Síndrome do Edifício Doente:

- Lavar as narinas com soro fisiológico;

- Sempre que possível, abrir portas e janelas para facilitar a circulação do ar;

- Fazer a manutenção do ar-condicionado a cada 6 meses;

- Evitar o acúmulo de revistas, jornais, carpetes e tapetes;

- Não ficar em locais fechados por longos períodos;

- Lavar as mãos com regularidade;

- Higienizar bem o ambiente.



Website: https://www.brasilsemalergia.com.br/site/

Veja também:

Trio é detido pela PM após furtar fios de telefonia, no Floresta
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade