PUBLICIDADE

Reserva de emergência é uma garantia para os tempos de turbulência

Fundo é diferente da poupança que é feita para trocar de carro, comprar uma casa ou planejar as férias

22 out 2021 05h10
ver comentários
Publicidade

Nunca se discutiu tanto sobre reserva de emergência como nos últimos meses, durante a pandemia. Reserva de emergência é o dinheiro guardado para bancar as despesas essenciais fixas em momentos inesperados de queda de renda provocados por: desemprego, impossibilidade de trabalhar, perda de um familiar, entre outros motivos. Isso é diferente da poupança que é feita para trocar de carro, comprar uma casa ou planejar as férias. Não se deve confundir estas duas caixinhas, com o risco de faltar dinheiro para os itens básicos num momento crítico.

Fizemos uma pesquisa pelo FGVcef sobre o impacto da covid-19 nas finanças dos brasileiros. Os dados apontam que aproximadamente 60% das pessoas resgataram seus investimentos para cobrir despesas neste período em que houve queda de renda. Estes números só reforçam a importância de se fortalecer um colchão de investimentos, a reserva de emergência, para conseguir navegar com um pouco mais de tranquilidade por tempos turbulentos.

Sabendo que poupar não é uma tarefa simples, seguem algumas ideias de como constituir uma reserva de emergência, ainda que seja do zero. Pense nos cenários em que este dinheiro pode ser um alívio importante; ter um propósito ajuda muito a criar um incentivo para guardar dinheiro. Antever situações que podem ter seu impacto reduzido por você ter feito esse colchão de segurança é um jeito de se conscientizar da importância deste esforço.

Faça um orçamento "mínimo". Saber o quanto é o mínimo que você precisa para bancar as despesas essenciais da sua família em uma emergência é um passo essencial para dimensionar o montante que deve ser a sua reserva. E transforme poupar em uma rotina.

*PROFESSORA DE FINANÇAS DA FGV EAESP E COORDENADORA DO CENTRO DE ESTUDOS EM FINANÇAS (FGVCEF)

Estadão
Publicidade
Publicidade