PUBLICIDADE

Quebra de patentes na área de saúde divide especialistas do setor

Momento atual da ciência no Brasil foi discutido no Summit Saúde 2021

19 out 2021 21h57
ver comentários
Publicidade

Durante o Summit Saúde 2021, evento realizado pelo Estadão para debater o futuro da saúde no Brasil pós-pandemia, especialistas discutiram sobre a inovação e investimentos na pesquisa. Participaram Abner Lobão, diretor executivo de Medical Affairs da Takeda, Elizabeth de Carvalhaes, presidente executiva da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, Margareth Pretti Dalcolmo, médica pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz, Sue Ann Costa Clemens, professora de Saúde Global na Universidade de Oxford e diretora do Grupo de Vacinas Oxford-Brasil, e Esper Kallás, médico infectologista e professor da USP.

Durante o evento, ficou claro que o Brasil ainda tem muito o que evoluir. Segundo Elizabeth, o País tem muita pesquisa clínica, "mas tem muita lição de casa para fazer". Esper Kallás defendeu a pesquisa nas universidades públicas e citou o molnupiravir como um caso de sucesso. Em contrapartida, citou o alto preço do medicamento como exemplo que justifica a quebra de patentes.

"A indústria peca quando ela cria salvaguardas, traves e dificuldades para fazer chegar, inclusive no momento de uma pandemia tão grave como a gente está vivendo, vacinas para países como Haiti, países da África onde não chegam."

Representante da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, Elizabeth de Carvalhaes criticou a iniciativa do governo federal de derrubar as patentes. "Essas ações intempestivas na pandemia criam discussões caras, do ponto de vista político e do investimento, e não trazem solução." Elizabeth acredita que as parcerias que trouxeram vacinas para o País, como a da Astrazeneca com a Fundação Oswaldo Cruz, trariam "soluções mais ágeis dentro do tempo da ciência".

O caminho também foi apontado pelo representante da Takeda no Brasil, Abner Lobão. Na opinião dele, as parcerias aceleraram os processos para a obtenção de novos imunizantes. "A gente tem de ter aprendido alguma coisa, para que cada vez mais a gente tenha aceleração dos processos e faça com que, no mundo acelerado que a gente vive, os problemas que hoje são os problemas dos pacientes possam ser atendidos", afirmou.

Kallás também comentou sobre o momento atual da ciência no Brasil. "Alguns colegas foram duramente atacados, Marcos Lacerda ameaçado de morte. As pessoas tentam distorcer as mensagens de investir em ciência de boa qualidade e achar soluções através dela", concluiu.

Sue Ann ressaltou que a mistura de diferentes tecnologias de vacinas ajuda a ter um reforço melhor. "A vacina ajudou o mundo a frear essa pandemia, mas agora a gente precisa ser responsável para saber quando dar a dose de reforço", afirmou.

A fuga de cientistas brasileiros para outros países também foi comentada durante o painel. A pesquisadora Margareth Pretti Dalcolmo criticou os cortes no orçamento de pesquisa. "Em nenhum processo civilizatório você admitiria que alguém chamasse de gasto o que é investir em uma nova geração de pessoas", afirmou. Para ela, o atual momento deveria servir para uma retomada da valorização dos cientistas do País.

Estadão
Publicidade
Publicidade