Para empresários, Bolsonaro promete esforço pela vacinação

Planalto escolheu vários nomes do alto escalão para encontro com empresários na noite desta quarta-feira, 7

7 abr 2021
22h18 atualizado às 22h42
0comentários
22h18 atualizado às 22h42
Publicidade

O jantar entre o presidente Jair Bolsonaro e empresários brasileiros foi marcado pela escalação de vários membros do governo para assegurar que o governo vai se esforçar para trazer a revitalização da economia, que anda combalida pela nova onda de infecções e pelo recorde de mortes por covid-19. Embora temas como reformas estruturais tenham sido abordados, a tônica do encontro foi a vacinação no ritmo mais acelerado possível.

Segundo um empresário presente à reunião, Bolsonaro encerrou o evento, mas se comprometeu a garantir que a imunização da população ocorra da maneira mais rápida possível. Ele destacou que o País tem duas fábricas próprias de vacina - uma da Fiocruz, no Rio de Janeiro, e outra do Instituto Butantan, em São Paulo - e se comprometeu a fazer de tudo para acelerar o processo de vacinação.

Presidente Jair Bolsonaro em Brasília
25/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília 25/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Trata-se de uma mudança clara no discurso do presidente, que no passado chegou a ironizar a vacinação, a declarar que não se vacinaria (ele ainda oficialmente não o fez, embora sua faixa etária já possa ser imunizada no Distrito Federal) e a colocar dúvidas sobre a Coronavac, de origem chinesa e produzida em parceria com o Butantan.

Nesta quarta-feira, 7, o Brasil atingiu a marca de 10% da população imunizada pela primeira dose da vacina, sendo que cerca de 80% do contingente tomou a Coronavac. Após mais de 70 dias de um ritmo de vacinação considerado lento, o País tem registrado recordes de mortos pela covid-19. Na terça-feira, 6, foram mais de 4,2 mil óbitos. Até agora, mais de 341 mil pessoas já perderam a vida na pandemia.

Para acalmar os ânimos do empresariado, que criticou duramente o governo Bolsonaro em declarações recentes, o Planalto escalou uma comitiva gigante: o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara; Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência; Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central; Fabio Faria, ministro das Comunicações; e Paulo Guedes, ministro da Economia.

Entre os empresários, discursaram Rubens Ometto (da Cosan), Claudio Lottenberg (presidente do Hospital Israelita Albert Einstein), André Esteves (BTG Pactual) e Alberto Saraiva (fundador do Habib's). Do lado do governo, falaram Campos Neto, Guedes e, por fim, Bolsonaro.

 

Estadão
Publicidade
Publicidade