PUBLICIDADE

Isolamento em Xangai é relaxado e fim do lockdown se aproxima

Moradores de Xangai tiveram a liberdade de sair para comprar mantimentos pela primeira vez em quase dois meses nesta quinta-feira

19 mai 2022 09h53
| atualizado às 11h15
ver comentários
Publicidade

Mais moradores de Xangai tiveram a liberdade de sair para comprar mantimentos pela primeira vez em quase dois meses nesta quinta-feira, enquanto as autoridades estabelecem mais planos para sair do lockdown da covid-19 em toda a cidade mais plenamente.

O centro comercial de 25 milhões de habitantes não registrou novas infecções fora das áreas em quarentena pelo quinto dia consecutivo, consolidando ainda mais seu status de "zero covid" a cada dia.

"Estou muito feliz, o fim do lockdown está começando", disse o comprador Zhong Renqiu em um supermercado Carrefour, no distrito central de Changning, que acaba de reabrir.

Isolamento em Xangai é relaxado e fim do lockdown se aproxima
Isolamento em Xangai é relaxado e fim do lockdown se aproxima
Foto: Casey Hall / Reuters

"Nós contamos principalmente com abastecimento do governo e compras em grupo", afirmou Zhong, que estava estocando ovos, bagas de goji, gergelim preto e aveia.

Mas as autoridades estão cautelosas com o perigo de novos surtos de infecção em seu esforço para reabrir gradualmente as atividades e planejam manter a maioria dos moradores em ambientes fechados este mês, priorizando o trabalho e a produção em relação a outras atividades.

O vice-prefeito Zhang Wei disse que a atividade econômica está se recuperando com empresas capazes de operar com trabalhadores que vivem no local e que as autoridades permitirão que mais pessoas retomem as operações normais a partir do início de junho.

A cidade está "se esforçando para conseguir uma retomada completa do trabalho e da produção o mais rápido possível", disse ele.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade