2 eventos ao vivo

Fiocruz divulga contrato de encomenda tecnológica por vacina

Acordo com Astrazeneca prevê que não haverá margem de lucro na aquisição dos produtos necessários para o imunizante até 1º de julho de 2021

29 out 2020
14h43
atualizado às 14h50
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apresentou o contrato de Encomenda Tecnológica assinado com a AstraZeneca para a produção da vacina contra o novo coronarívus. O acordo prevê que não haverá margem de lucro na aquisição dos produtos necessários para a produção da vacina até 1º de julho de 2021, quando expira o contrato.

Fiocruz está realizando os testes da vacina de Oxford
Fiocruz está realizando os testes da vacina de Oxford
Foto: Itamar Crispim/Fiocruz

O acordo prevê ainda que a fundação terá total acesso à tecnologia ao fim do contrato, o que permitirá à Fiocruz autonomia para produzir a vacina de acordo com as necessidades que o País apresentar.

O contrato foi encaminhado na segunda-feira, 26, à Comissão Externa da Câmara dos Deputados de Enfrentamento à Covid-19. Segundo o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, os termos negociados colocam o Brasil em posição de destaque no cenário global.

"O acordo com a AstraZeneca garante não apenas o acesso a um volume expressivo de uma das vacinas mais promissoras que segue em estudo clínico de fase 3, como também assegura a transferência total da tecnologia para Bio-Manguinhos/Fiocruz. O compromisso também garante a inexistência de obtenção de margem de lucro para a AstraZeneca ou para a Fiocruz até 1º de julho de 2021", disse, em nota divulgada pela fundação.

O custo da vacina também foi exaltado. "Ao preço de US$ 3,16 a dose, ela é considerada uma das mais baratas quando comparada às demais negociações que seguem em curso no mundo. O valor praticado, incluindo a transferência da tecnologia que trará a autonomia nacional já a partir de 2021, é resultado direto de uma atuação diferenciada possibilitada pela capacidade produtiva e tecnológica existentes", destacou o vice-presidente.

O contrato está limitado inicialmente a 100,4 milhões de doses, totalmente destinadas a entregas ao Ministério da Saúde e ao SUS. Ao fim do acordo, a Fiocruz terá a capacidade de produzir mais 110 milhões ao longo do segundo semestre de 2021.

Veja também:

Sabrina Sato revela que pai está hospitalizado com covid-19
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade