12 eventos ao vivo

BNDES apoia novos 'parâmetros' para o Fundo Amazônia, diz presidente do banco

Presidente do banco, Gustavo Montezano mantém discurso afinado com o presidente Jair Bolsonaro; para ele, não há país 'mais limpo do que o Brasil'

23 out 2020
17h01
atualizado às 19h35
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

RIO - O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, evita criticar o Fundo Amazônia ou levantar suspeitas de irregularidades em gestões passadas. Defende, porém, as mudanças na governança propostas pelo governo federal. Mantém discurso afinado com o presidente Jair Bolsonaro - para ele, não há país "mais limpo do que o Brasil", enquanto as nações desenvolvidas "já fizeram sua extirpação de valores ambientais algumas décadas atrás", diz. Também relativiza os impactos das doações da Noruega e da Alemanha. Na área ambiental, prefere apostar na "precificação" do "ativo florestal e hídrico gigante" do Brasil.

Quando o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, começou a atacar o Fundo Amazônia, em maio de 2019, a diretoria do BNDES, então sob o comando de Joaquim Levy, se dividiu. A cisão opôs a defesa pública do mecanismo ao acatamento da pressão do Planalto, feita nos bastidores, contra as doações de países desenvolvidos para preservar a floresta. Técnicos do banco acusaram o governo federal de ingerência política, após o afastamento da chefe do departamento responsável pela gestão do fundo.

Na ação judicial em curso no Supremo Tribunal Federal (STF), o BNDES se manifestou em defesa da eficácia do Fundo Amazônia para reduzir o desmatamento. Em petição para responder ao pedido de informações da ministra Rosa Weber, relatora da ação, o banco alerta que as mudanças na governança feitas unilateralmente pelo Brasil configuram descumprimento do contrato de doação e, portanto, poderiam levar à suspensão do uso dos recursos e até mesmo à devolução de valores já utilizados.

"Damos todo o suporte e apoiamos a retomada do fundo em outros parâmetros, diferentes dos parâmetros anteriores, para que possamos voltar a operar", afirmou Montezano, para explicar a posição da atual diretoria do BNDES diante do impasse. "Sem fazer qualquer julgamento do passado, mas em qualquer coisa que se faça inovadora, pela primeira vez, há coisas a aprender. Temos que pegar as lições que aprendemos nesse período e melhorar, transformar o fundo em algo ainda mais substancial", completou o presidente do banco de desenvolvimento.

Para Montezano, a discussão sobre os rumos do Fundo Amazônia "é legal, relevante e importante", mas não a ponto de justificar o que considera a perda de "bastante energia". O presidente do BNDES relativizou os valores envolvidos. "Sem qualquer demérito de uma iniciativa que é valorosa, falamos historicamente de cerca de US$ 20 milhões por ano", disse Montezano, numa referência aos recursos desembolsados. Segundo dados publicados no site do Fundo Amazônia, foram liberados R$ 1,205 bilhão, no acumulado de 2015 ao primeiro semestre de 2020, para os 103 projetos aprovados.

"Perdemos bastante energia nesse tema, como se isso fosse salvar a Amazônia, mas não vai. Estamos falando de números bem mais ambiciosos e ousados do que isso (os US$ 20 milhões por ano), porque a Amazônia é 50% do nosso território, e o caminho tem que ser bem mais ambicioso. Por isso, é um momento bom, porque enfim o mundo está precificando e preocupado com esse ativo (ambiental)", afirmou Montezano.

O "caminho bem mais ambicioso" mencionado pelo presidente do BNDES passa por levantar recursos financeiros com ativos ambientais, como na estratégia de estruturar concessões de unidades de conservação, como parques naturais, para operadores privados desenvolverem negócios turísticos.

O "momento é bom" porque o aumento da preocupação internacional com o desenvolvimento socioambiental, que passa pela inclusão crescente de critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês) em decisões de grandes investidores do mercado financeiro e de países importadores é uma oportunidade para o Brasil levantar recursos.

"Temos um ativo florestal e hídrico gigante e estão questionando (no exterior) porque estamos reduzindo um pouquinho o tamanho desse ativo todo ano, enquanto os países desenvolvidos, que ditam a regra do jogo das finanças verdes, já fizeram sua extirpação de valores ambientais algumas décadas atrás. Sobrou pouco para eles. Naturalmente, eles estão vendo com muito bons olhos esses ativos, e estão gritando. Cabe a nós oferecer produtos e mecanismos para que esses ativos sejam explorados de forma sustentável", disse Montezano. Oriundo do mercado financeiro, o executivo vê as críticas internacionais à política ambiental do governo Bolsonaro sob a ótica das negociações privadas.

"Quando se entra numa mesa de negociação, a primeira coisa que se faz é dar porrada na contraparte, para jogar o preço para baixo. Confiamos bastante que esse ativo (ambiental do Brasil) vai valer bastante dinheiro, então, naturalmente, a contraparte, que é o comprador do 'hedge' (proteção para perdas) ambiental, vai jogar (a avaliação do preço) para baixo", disse Montezano.

Embora defenda outras políticas ambientais além do mecanismo de REDD+ com doações internacionais, o presidente do BNDES defendeu a mudança na governança do Fundo Amazônia, mesmo diante das manifestações contrárias pelos próprios países doadores, ainda em 2019.

"O doador, claro que vai apoiar (a governança anterior), pois foi ele quem montou. Em se tratando de política pública, ela tem de estar alinhada com quem decide as demais políticas públicas. Não pode ser um negócio a parte, independente. Suportamos (apoiamos), sim, a negociação pela Vice-Presidência e pelo Ministério do Meio Ambiente. Achamos importante, assim como valorizamos o aprendizado dos últimos 11 anos", afirmou o executivo.

Iniciadas pelo ministério, as negociações com os países doadores sobre mudanças na governança do Fundo Amazônia estão, desde março passado, a cargo do Conselho Nacional da Amazônia Legal, presidido pelo vice-presidente Hamilton Mourão. Na ação no STF, a Vice-Presidência da República informa que as negociações seguem. Informa ainda que em julho os doadores concordaram com um "calendário de avaliação e diálogo sobre governança e plano de ação para reativação do Fundo Amazônia". "A avaliação final dos resultados agregados de maio a novembro sobre desmatamento ilegal e queimadas está prevista para 30 de novembro", diz a petição ao STF.

Procurada, a Embaixada da Alemanha em Brasília confirmou que as negociações com o governo brasileiro seguem em curso, mas informou que não há novidades. Em nota, a Embaixada da Noruega classificou o Fundo Amazônia como "uma cooperação importante para nós" e lembrou que "a paralisação ocorre somente para novos projetos", uma vez que os desembolsos de contratos já firmados seguem em curso, com "mais de meio bilhão de reais em projetos ativos sendo implementados agora".

"Toda cooperação internacional é baseada em visões comuns. Estamos tentando verificar se ainda temos metas compartilhadas, e como o Governo brasileiro implementará suas estratégias. Nesse sentido, temos mantido um diálogo positivo e construtivo com o Vice-Presidente", diz a nota, completando ainda que a Noruega aprecia "o diálogo que temos com o Vice-Presidente e seu gabinete". "Boas soluções demandam tempo, e esse assunto é tão importante que merece todo o tempo necessário", continua o texto.

A Vice-Presidência não respondeu ao pedido de atualização sobre o estado atual das negociações. O Ministério do Meio Ambiente não respondeu a nenhum dos questionamentos encaminhados pela reportagem.

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade