5 eventos ao vivo

Homem consumiu recursos do planeta para 2014 em apenas 8 meses, diz pesquisa

19 ago 2014
21h11

Ambientalistas apontaram esta terça-feira como o "Dia da Sobrecarga da Terra", em que os recursos naturais do planeta disponíveis para 2014 já foram consumidos, o que faz com que os habitantes estejam em saldo negativo com o meio ambiente em pleno mês de agosto.

"Estamos no vermelho com o planeta, pois gastamos, no ano, mais do que a gente deveria, já estamos gastando a partir de hoje o que o planeta vai ter que produzir para o ano que vem", explicou à Agência Efe a engenheira agronôma da rede ambientalista WWF, Maria Cecília Wey de Brito.

De acordo com a pesquisa da organização internacional de sustentabilidade Global Footprint Network (GFN) divulgada hoje pelo dia da sobrecarga da terra, 85% da população mundial vive em países que demandam mais de natureza do que os ecossistemas podem renovar.

De acordo com os dados da GFN, "seriam necessários 1,5 planeta para produzir recursos ecológicos necessários" para suportar a demanda humana por recursos naturais.

"O uso dos recursos naturais acima da capacidade da Terra está se tornando um dos principais desafios do século 21. É um problema tanto ecológico quanto econômico. Países com déficits de recursos e baixa renda são ainda mais vulneráveis", afirma Mathis Wackernagel, presidente da GFN.

Também para a engenheira agronôma, o planeta está em uma fase de "déficit ecológico", calculado com base no quanto o planeta pode produzir e quando os habitantes consomem.

Em 2000, o cálculo foi feito pela primeira vez para identificar o dia da "Sobrecarga da Terra" (Overshoot Day) que, na época, foi em outubro e, 14 anos depois, este dia chegou no oitavo mês do ano.

"Não estamos sabendo regular essa conta com o planeta, existem alternativas para balancear vida cotidiana e meio ambiente", alertou Wey de Brito.

De acordo com este déficit, alguns países aparecem nas três primeiras colocações como "devedores" ao planeta: Emirados Árabes, Catar e Bélgica.

Em contrapartida, alguns locais aparecem como "credores", baseados em sua biodiversidade territorial em contraponto com o que está sendo consumido através de atividades cotidianas como transporte, uso da água até a agricultura.

O Brasil aparece em nona posição como país credor, mas a especialista alerta que isso não significa uma realidade positiva, mas de atenção.

"O Brasil é um país que, apesar de estar gastando mais, tem uma alta biocapacidade, mas ainda precisa de várias alternativas como a mudança do transporte de combustívis fósseis para outros tipos de modais, entre outras situações", explicou à Efe.

Sobre a agricultura, setor que movimenta o país, Wey de Brito, indica uma revisão de práticas de plantio e gestão dos solos com "plantios diretos e sem desmatamento", além de utilizar menos insumos agrícolas.

"Especialmente num país tropical como o Brasil com alta capacidade de produção, precisamos de menos insumos e, assim, poderemos ter uma condição de vender nossos produtos em outros países chamando a atenção para essas características, criando um público exigente que vai pagar mais caro isso", disse.

EFE   

compartilhe

publicidade