3 eventos ao vivo

STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e manda ex-assessor de Flávio Bolsonaro para cadeia

13 ago 2020
21h47
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu revogar uma liminar anterior e determinou na noite desta quinta-feira que Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), seja preso novamente.

Fabrício Queiroz em carro da polícia
18/06/2020
REUTERS/Amanda Perobelli
Fabrício Queiroz em carro da polícia 18/06/2020 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

A decisão de Fischer derruba a prisão domiciliar concedida a Queiroz durante o recesso do Judiciário pelo presidente do STJ, João Otávio de Noronha. O ministro também cassou a prisão domiciliar da mulher de Queiroz, Márcia Aguiar, que não tinha sequer sido detida antes por estar foragida.

"A defesa de Fabrício Queiroz recebe com surpresa a decisão de revogação de anterior liminar, sobretudo diante da desnecessidade da prisão de seus constituintes", disse a defesa do ex-assessor em nota enviada à Reuters.

"Informa ainda que já tem adotado todas as medidas legais para a urgente reforma da decisão, mormente diante do risco concreto e real de dano à saúde, por pertencerem ambos a grupo de risco agravado diante da pandemia", acrescentou.

Queiroz chegou a ficar preso por quase três semanas no complexo de Bangu, no Rio de Janeiro. O casal estava em prisão domiciliar e usando tornozeleira eletrônica no apartamento onde moram no bairro de Jacarepaguá, na zona oeste da capital fluminense.

Queiroz, a mulher e Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, são investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro sobre um suposto esquema de desvio de recursos de servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, conhecido como "rachadinha", quando o atual senador era deputado estadual.

Antes da decisão de Felix Fischer, a expectativa entre pessoas próximas a Queiroz era que a decisão de Noronha, considerada polêmica à época, poderia ser reformada.

Recentemente, a defesa de Queiroz entrou com um pedido de liberdade do ex-assessor no Supremo Tribunal Federal (STF). O relator do caso é o ministro Gilmar Mendes, que mais cedo nesta quinta pediu informações às autoridades do Rio sobre o caso.

Veja também:

Bolsonaro fala em 'cartão vermelho' para quem sugere congelar aposentadorias e enterra Renda Brasil
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade