1 evento ao vivo

Secretário de Saúde do RJ deixa o cargo, dizem fontes

Após uma série de denúncias que resultaram em operações da polícia e do Ministério Público

17 mai 2020
16h30
atualizado às 20h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, está deixando o cargo, disseram duas fontes do governo fluminense, após uma série de denúncias que resultaram em operações da polícia e do Ministério Público para combater irregularidades em contratos com fornecedores.

Profissionais de saúde transportam corpo para caminhão refrigerado no Hospital Lourenço Jorge, no Rio de Janeiro
08/05/2020
REUTERS/Ricardo Moraes
Profissionais de saúde transportam corpo para caminhão refrigerado no Hospital Lourenço Jorge, no Rio de Janeiro 08/05/2020 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Santos, que assumiu a pasta com a eleição do governador Wilson Witzel, perdeu força nos últimos dias em meio a problemas no combate à Covid-19 e a denúncias de irregularidades em contratações e em compras emergenciais.

"Ele está de saída mesmo", disse uma das fontes. "O objeto é conseguir entregar os hospitais de campanha e resolver pendências", disse uma segunda fonte.

A inauguração de mais um hospital de campanha nesse domingo acabou não ocorrendo e não foram dadas maiores explicações para a entrega da unidade de São Gonçalo, que estava prevista para acontecer no fim do mês passado.

Segundo as fontes, que pediram anonimato, o nome do sucessor não foi definido, mas o médico Fernando Ferry, diretor do hospital Gaffrée e Guinle, seria um dos cotados para o cargo.

Neste mês, cinco pessoas foram presas, acusadas de obter e conceder vantagens em contratos emergenciais para combate ao coronavírus. Entre os presos, está ex-subsecretário de Saúde, Gabriel Neves e o substituto, Gustavo Borges.

Na semana passada, em mais duas operações da Lava Jato e do MP, 15 pessoas foram presas acusadas de irregularidades e vantagens em contratos com a Secretaria da Saúde do Estado.

Em uma das investigações, duas pessoas citam Witzel, que nega qualquer irregularidade e em carta aos secretários disse que vai prestar esclarecimentos ao STJ nos próximos dias.

Procurado, o governo fluminense informou que não tinha o informações sobre eventual pedido de demissão de Santos.

Veja também:

Trump exige prisão de manifestantes; países rivais acusam EUA de 'hipocrisia'
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade