PUBLICIDADE

Porto de Itaguaí expande exportação de minério de ferro

Com crescimento de 13,1%, o porto é o maior do país em movimentação de minério Porto de Itaguaí expande exportação de minério de ferro

16 nov 2023 - 16h04
Compartilhar
Exibir comentários

O Porto de Itaguaí, administrado pela PortosRio, teve alta de 13,1% em exportação de minério de ferro durante o terceiro trimestre de 2023. Os dados são do recém lançado Estatístico Aquaviário, da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários).

Foto: Porto de Itaguaí ( Reprodução Internet) / Diário do Rio

Neste terceiro trimestre, o Porto de Itaguaí movimentou 15,9 milhões de toneladas de minério de ferro. Esse volume corresponde a 13,2% do total de cargas movimentadas pelos portos públicos do país e representa um aumento de 8,6% em relação ao mesmo período do ano passado.

De acordo com matéria do Diário do Porto, em maio do ano passado, houve o anúncio de que o Porto de Itaguaí terá mais um terminal para exportação de minério. Na ocasião, a previsão era de que as obras seriam entregues até 2028, o iria ampliar consideravelmente a capacidade de exportação do terminal. Para a implantação do empreendimento estava previsto utilizar uma área de 312 mil metros quadrados, na qual seriam investidos R$ 3 bilhões, para aumentar a capacidade de escoamento de minério de ferro em 30 milhões de toneladas por ano.

Segundo especialistas, o Ministério do Meio Ambiente, comandado por Marina Silva, e o Ministério de Minas Energia poderão entrar em conflito com essa decisão. Isso porque com a chegada de mais um Terminal de minério, sendo o quarto da Baia de Sepetiba, a poluição aumentaria. Ainda de acordo com a análise de especialistas, o possível embate entre ministérios poderia levar a uma necessária intermediação da presdidência de Lula.

A possível expansão do Porto de Itaguaí foi criticada por Wagner Victer, ex-secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Estado do Rio de Janeiro. "Acho uma péssima notícia para o Estado. Isso não é para comemorar, é para chorar! Essas atividades são extremamente poluidoras".

Diário do Rio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade