PUBLICIDADE

Tem gente querendo mostrar intimidade com o poder, diz Aziz

Presidente da CPI descartou convocar Michelle Bolsonaro; primeira-dama é citada em mais um diálogo dos negociadores de vacina contra covid

13 jul 2021 00h40
| atualizado às 07h21
ver comentários
Publicidade

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou nesta segunda-feira, 12, que a primeira-dama Michelle Bolsonaro não será convocada para prestar esclarecimento à comissão. A mulher do presidente Jair Bolsonaro foi citada pelo policial militar Luiz Paulo Dominghetti em mensagens que tratam de uma negociação por doses da vacina da Astrazeneca contra o coronavírus.

Presidente da CPI da Covid, Omar Aziz
06/07/2021
REUTERS/Adriano Machado
Presidente da CPI da Covid, Omar Aziz 06/07/2021 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

"Não, não vamos convocar. Tem muita gente que tira proveito para mostrar intimidade com poder. Tem que ter muito cuidado com isso", disse Aziz ao Estadão. "Até porque, se não, a gente entra no joguinho do Bolsonaro (do tipo) 'Estão mexendo com minha família, minha esposa é uma santa'. A gente se antecipa logo para não misturar as coisas e ser diferente dele", completou o presidente da CPI.

A existência de um diálogo citando o nome de Michelle foi revelada pela revista Veja e confirmada pelo Estadão. "Michele (sic) está no circuito agora. Junto ao reverendo (Amilton). Misericórdia", disse Dominguetti no dia 3 de março a um interlocutor identificado como Rafael. "Quem é? Michele Bolsonaro?", pergunta Rafael. Ao que o PM de Minas respondeu: "Esposa sim".

Para Aziz é necessário cautela. "É preciso responsabilidade para se chegar à verdade e não se precipitar em apontar o dedo antes de se ter provas do envolvimento de qualquer pessoa nos crimes que afloram nas investigações", escreveu ele no Twitter.

O reverendo citado no diálogo de Dominghetti é Amilton Gomes de Paula, fundador da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), organização não governamental que negociou, em nome da AstraZeneca, vacinas contra a covid com o governo federal. A AstraZeneca nega que tenha intermediários e diz que negocia diretamente com o governo brasileiro por meio do laboratório da Fiocruz. O Rafael que aparece na mensagem é Rafael Alves, representante da Davati Medical Supply.

Amilton tem depoimento à CPI agendado para quarta-feira, 14, mas apresentou um atestado médico e pediu adiamento.

O nome do reverendo apareceu pela primeira vez na CPI durante o depoimento de Dominghetti, que também se apresentou como representante da Davati e disse ter participado de reuniões agendadas no Ministério da Saúde por intermédio de Amilton. O PM afirmou que se encontrou com o coronel Élcio Franco, então secretário-executivo do ministério, e Lauricio Monteiro Cruz, então diretor de imunização da pasta, por intervenção do reverendo.

O deputado Luís Miranda (DEM-DF) e o irmão dele, o servidor Luis Ricardo, haviam dito à CPI que o então diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, fazia pressão para que a compra da vacina indiana Covaxin fosse acelerada. O negócio previa uma antecipação de pagamento de US$ 45 milhões para uma offshore. Dias foi demitido depois, acusado por Dominghetti de pedir propina para fechar negócio com vacinas da AstraZeneca.

A um interlocutor identificado como "Rafael Compra Vacinas" - depois identificado como Rafael Silva, da Davati - Dominghetti também citou, no dia 16 de março, o presidente Bolsonaro e o reverendo Amilton ao falar da negociação de vacinas com o governo. "Ontem, o Amilton falou com Bolsonaro, ele falou que vai comprar tudo", disse o policial em mensagens reveladas depois que ele entregou o celular para perícia técnica.

Estadão
Publicidade
Publicidade