PUBLICIDADE

Miranda diz que relatou a CPI quem teria ameaçado Pazuello

Parlamentar também afirmou não possuir gravação da conversa que teve com Jair Bolsonaro, mas reiterou que "não estava sozinho na sala"

13 jul 2021 00h09
| atualizado às 07h19
ver comentários
Publicidade

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) diz ter relatado em caráter privado a membros da CPI da Covid o nome do político que supostamente teria ameaçado o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e pedido "pixulé". A afirmação foi feita pelo parlamentar em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira. Ele, contudo, não revelou a identidade de quem supostamente pediu propina. "Se Pazuello der o nome, eu confirmo. Esse nome não é do meu partido", limitou-se a dizer.

De acordo com a jornalista Vera Magalhães, âncora do programa, Miranda citou o nome do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL) aos senadores da CPI. O deputado não confirmou - nem negou -, mas ressaltou que Pazuello deveria voltar à comissão de inquérito para esclarecer o episódio. "Eu não quero ser a pessoa do 'ouvi falar', quem passou por isso deve falar", afirmou na entrevista.

Miranda disse ainda que, caso Pazuello acuse a pessoa errada, vai desmenti-lo publicamente.

Deputado Luis Miranda foi quem denunciou a fraude na compra de milhões de doses da Covaxin.
Deputado Luis Miranda foi quem denunciou a fraude na compra de milhões de doses da Covaxin.
Foto: Câmara dos Deputados/ Reprodução / Estadão

O deputado, tido como um dos "homens-bomba" das suspeitas de corrupção por parte do governo federal em compras de vacinas, ainda afirmou que Pazuello não sabia do escândalo da Covaxin dois dias antes de ser exonerado do cargo, sinalizando que o presidente Jair Bolsonaro pode não tê-lo avisado sobre as denúncias apresentadas pelos irmãos Miranda. O parlamentar destacou que rompeu completamente com o chefe do Palácio do Planalto. "Eu não subo mais em um palanque com Jair Messias Bolsonaro."

Gravações

Miranda negou diversas vezes ter áudios da conversa que teve com o presidente Bolsonarono dia 20 de março acompanhado de seu irmão, mas não descartou a possibilidade de existir uma gravação.

"Eu jamais gravaria um presidente da República, mas eu não estava sozinho na sala", disse durante o programa. Sobre a reunião, Miranda acrescentou que informou em detalhes, com o seu irmão, a situação sobre um possível de caso de corrupção na compra vacina indiana Covaxin.

"O presidente viu tudo, o processo inteiro. Meu irmão imprimiu o processo, mostrou para ele o contrato", afirmou Miranda. "De fato, ele não se atenta aos detalhes da documentação técnica, mas entende que era grave."

O parlamentar se diz decepcionado com Bolsonaro. "Ele não desmente, só minimiza a denúncia, o que é muito frustrante para quem esteve do lado dele o tempo todo". Como reação às represálias, ele avalia que seguirá como independente. "A reação do governo foi muito dura. Mas dizer que, daqui para frente, eu vejo essas antes que a gente possa caminhar politicamente juntos? Isso nunca mais", disse Miranda. "Eu não subo mais em palanque com Jair Messias Bolsonaro."

Estadão
Publicidade
Publicidade