0

Mourão afirma que Ernesto Araújo pode deixar ministério

"Acho que poderá ocorrer uma reorganização do governo", afirmou o vice-presidente

27 jan 2021
12h54
atualizado às 13h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pode deixar o cargo em uma eventual reforma ministerial após as eleições para os comandos da Câmara dos Deputados e do Senado, disse o vice-presidente Hamilton Mourão em entrevista nesta quarta-feira à Rádio Bandeirantes.

Mourão particpa de cerimônia em Brasília
 16/9/2020 REUTERS/Adriano Machado
Mourão particpa de cerimônia em Brasília 16/9/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

De acordo com Mourão, que afirmou na entrevista que gostaria de participar mais do governo do presidente Jair Bolsonaro, as mudanças no primeiro escalão podem ocorrer para reacomodar as forças políticas após a escolha das Mesas Diretoras das duas Casas legislativas.

"Acho que poderá ocorrer uma reorganização do governo para que seja acomodada a nova composição política que emergir desse processo. Talvez alguns ministros sejam trocados, entre eles, o próprio Ministério das Relações Exteriores", disse o vice à emissora.

Ele também comentou sobre eventual processo de impeachment contra Bolsonaro, em um momento em que há mais de 60 pedidos neste sentido já protocolados na Câmara dos Deputados, e fez a avaliação que o movimento pela destituição do presidente perderá força conforme a vacinação contra a covid-19 ganhar tração.

"A minha visão é que no presente momento não estão dadas as condições para o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Há muito ruído, muita gritaria, fruto do desconhecimento sobre a questão das vacinas. A partir do momento que o processo de vacinação avançar, essa gritaria vai diminuir", avaliou.

Mourão se declarou ainda favorável à recriação do auxílio emergencial para ajudar os mais vulneráveis durante a pandemia, mas ponderou que é necessário cortar outras despesas para abrir espaço para o pagamento do benefício. O vice afirmou que o Brasil vive uma "crise fiscal séria" e alertou que a dívida pública não pode se tornar "ainda mais impagável".

Veja também:

Fux: Democracia não é 'concordância forjada ou aplausos imerecidos', mas sim 'diálogo construtivo'
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade