PUBLICIDADE

Política

Michele Bolsonaro chora e fala em perseguição e injustiça após acordo de delação de Mauro Cid

Ex-primeira-dama e o ex-presidente Jair Bolsonaro estavam junto do culto celebrado em Brasília, no dia 7 de Setembro

9 set 2023 - 08h03
(atualizado às 08h09)
Compartilhar
Exibir comentários
Michelle Bolsonaro usava a bandeira do BRasil nas costas
Michelle Bolsonaro usava a bandeira do BRasil nas costas
Foto: Reprodução/Facebook

Com a bandeira do Brasil nas costas, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro chorou durante um culto em Taguatinga (DF) na noite desta quinta-feira, 7, ao falar que ela e o marido estão sendo “perseguidos e injustiçados”. Na ocasião, ela estava acompanhada do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A pregação ocorreu horas depois do ex-ajudante de ordens Mauro Cesar Barbosa Cid fechar acordo de delação premiada com a Polícia Federal.

"Primeira vez que eu olhei a bandeira do Brasil cair no chão, porque é tão vivo, é tão forte. Mas, amados, a gente não pode perder a esperança. [...] Eles vão nos atacar. O Senhor não nos prometeu que seria fácil. O Senhor falou que nós seríamos perseguidos. Todos aqueles que tivessem Cristo como o Senhor salvador seriam perseguidos. E nós estamos sendo perseguidos e injustiçados, mas eu sei em quem eu tenho crido”, disse a presidente do PL Mulher.

Michelle Bolsonaro Jair Bolsonaro culto Magno Malta igreja catedral da bênção ICB Taguatinga 07/09/2023
Michelle Bolsonaro Jair Bolsonaro culto Magno Malta igreja catedral da bênção ICB Taguatinga 07/09/2023
Foto: Reprodução/Instagram/@magnomalta / Estadão

Na celebração, ao lado do casal Bolsonaro, estavam também o senador Magno Malta (PL-ES) e os deputados Marco Feliciano (PL-SP) e Helio Lopes (PL-RJ), que compartilharam registros nas redes sociais.

Mauro Cid está preso e é investigado por fraudar os cartões de vacinação do ex-presidente e sua filha, além dos cartões de sua própria família. O ex-ajudante de ordem pode ser a peça chave no suposto esquema de venda de joias e artigos de luxo que Bolsonaro ganhou durante agendas oficiais.

Já o ex-presidente é suspeito de coordenar esse suposto esquema. Michelle é investigada pela suspeita de ter desviado para si algumas dessas joias.

Delação aceita

A Polícia Federal (PF) aceitou a proposta de delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid, na última quinta-feira, 7, mas ainda não se sabe qual será o foco. Agora, o Ministério Público Federal (MPF) também precisa ser ouvido sobre quais as condições para o acordo ser firmado. A delação premiada só passa a valer após homologação do Supremo Tribunal Federal (STF).

No dia 28 de agosto, quando o ex-presidente e a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro ficaram em silêncio em um depoimento prestado na PF, Cid falou com os policiais por mais de 10 horas.

Mauro Cid cumpre prisão preventiva desde maio. Ele é investigado sobre o caso das joias, o 8 de janeiro e a falsificação de carteiras de vacina. No caso deste último, os dados falsos teriam sido inseridos entre novembro de 2021 e dezembro de 2022 nos sistemas SI-PNI e RNDS do Ministério da Saúde. 

Quem é Mauro Cid, o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Quem é Mauro Cid, o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade