PUBLICIDADE

Política

Lula deveria reparar o Brasil e os brasileiros dos prejuízos causados por Dilma, diz Aécio Neves

Ao Estadão, ex-presidenciável e deputado federal criticou declarações do petista de que o País deve desculpas à ex-presidente por causa do processo de impeachment

27 ago 2023 - 15h03
(atualizado às 15h11)
Compartilhar
Exibir comentários

O ex-presidenciável e deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou neste domingo, 27, ao Estadão, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deveria reparar o Brasil dos prejuízos causados durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A declaração foi uma resposta à afirmação de Lula sobre ser necessário discutir como "reparar" a sua correligionária, que sofreu impeachment em 2016. O debate voltou à tona após o arquivamento da ação de improbidade pelas "pedaladas fiscais" no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). Em 2014, Dilma e Aécio foram adversários diretos nas eleições presidenciais, que resultaram na vitória, nos dois turnos, da petista.

Aécio Neves durante evento do PSDB em agosto de 2023
Aécio Neves durante evento do PSDB em agosto de 2023
Foto: PSDB na Câmara/Divulgação / Estadão

"Lula agora fala em reparar a ex-presidente Dilma pelo suposto 'golpe' do impeachment, ignorando decisões do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele deveria canalizar sua energia para reparar o Brasil dos prejuízos que sua pupila causou ao país e aos brasileiros", disse.

TRF-1 mantém decisão que arquiva ação contra Dilma Rousseff por 'pedaladas fiscais' por unanimidade

Decisão beneficia também outros envolvidos no mecanismo como o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, o ex-presidente do Banco do Brasil Aldemir Bendine, dentre outros

  • Entenda por que o TRF-1 arquivou a ação contra Dilma por 'pedaladas fiscais'

    Postagens nas redes sociais afirmam que decisão inocentou ex-presidente e que invalidou processo de impeachment; veja o que dizem especialistas em Direito

  • Lula quer reparação para Dilma depois do arquivamento da ação das 'pedaladas fiscais'; veja vídeo

    Em Angola, presidente disse que impeachment da petista foi resultado de 'uma coisa que não aconteceu'; TRF-1 manteve o arquivamento da ação em benefício de Dilma

  • A decisão do TRF-1 foi divulgada após o colegiado da 10ª Turma se reunir para julgar uma apelação do Ministério Público Federal (MPF). Como mostrou o Estadão, o Tribunal decidiu que Dilma e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega não poderiam responder nos termos Lei de Improbidade Administrativa porque já foram responsabilizados por meio da Lei que define os crimes de responsabilidade. Isso ocorre por, em 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que o Presidente da República não deveria estar à mercê do sistema de dupla responsabilização.

    Especialistas ouvidos pelo Estadão afirmam que o arquivamento da decisão não inocenta Dilma, visto que o mérito da ação não foi analisado; o que houve foi uma análise foi de caráter formal e processual em resposta à decisão do STF em 2018. Eles ainda afirmam que não existe correlação entre a decisão de arquivar a ação no TRF-1 e o processo que levou ao afastamento da ex-presidente, já que cada um dos acontecimento se refere a leis diferentes: a ação no Tribunal enquadra Dilma na Lei de Improbidade Administrativa; enquanto, no passado, ela já havia sido responsabilizada pela Lei do Impeachment.

    Aécio defende ainda que, ao repetir sistematicamente a narrativa de "golpe", tanto Lula quanto o Partido dos Trabalhadores tentam se valer da máxima da propaganda de Adolf Hitler: "Tentam, mais uma vez, fazer valer a máxima de Joseph Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler, que insistia em que 'uma mentira repetida mil vezes vira verdade'. Como sociedade, temos o dever de reagir a isso, em respeito à nossa História e a diversas gerações de brasileiros vítimas dos descalabros daquele governo", disse.

    Impeachment de Dilma por conta das pedaladas fiscais foi concluído em agosto de 2016 pelo Senado, sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, e após defesa feita por Dilma em plenário.
    Impeachment de Dilma por conta das pedaladas fiscais foi concluído em agosto de 2016 pelo Senado, sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, e após defesa feita por Dilma em plenário.
    Foto: Dida Sampaio / Estadão / Estadão
    Estadão
    Compartilhar
    Publicidade
    Publicidade