0

Justiça nega prisão preventiva a amigos de Temer denunciados

11 abr 2018
18h36
atualizado às 18h43
  • separator
  • comentários

A Justiça Federal de Brasília negou um pedido feito pelo Ministério Público Federal de decretar a prisão preventiva do coronel João Baptista Lima Filho e do advogado José Yunes, amigos do presidente Michel Temer, além do ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures e outras cinco pessoas que foram denunciadas pelo MPF no chamado caso do "quadrilhão do PMDB" da Câmara, em decisão divulgada nesta quarta-feira.

Foto: Reuters

A decisão do juiz federal Marcus Vinícius Reis Bastos, obtida pela Reuters, foi dada na segunda-feira, dia em que ele também aceitou a denúncia por organização criminosa contra os amigos de Temer e outros envolvidos por organização criminosa.

Segundo o magistrado, não há como determinar a prisão do coronel Lima, Yunes, Rocha Loures e outros dois acusados sob o argumento usado pelo Ministério Público.

Para o MPF, diante das notícias de que o presidente Michel Temer "pretende candidatar-se à reeleição presidencial este ano" isso levaria ao risco de "reiteração de condutas criminosas (...), com o fim de garantir a perpetuação do grupo criminoso no controle da máquina estatal federal".

"Afirmar que a anunciada candidatura de Michel Temer à Presidência da República (reeleição) importe na permanência da empresa criminosa e na prática de ilícitos penais por parte dos requeridos demanda a indicação de fatos atuais (contemporâneos) nesse sentido, circunstância que não se verificou", disse o juiz, em decisão de nove páginas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade