0

MG: governador diz que esposa “é vítima” após operação da PF

Carolina Oliveira é investigada por supostamente manter uma empresa de fachada, que seria usada para lavagem de dinheiro

30 mai 2015
18h54
atualizado em 31/5/2015 às 10h41
  • separator
  • 0
  • comentários

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, negou o envolvimento da esposa, Carolina Oliveira, em esquema de lavagem de dinheiro, em uma entrevista coletiva na tarde deste sábado (30). Na sexta-feira (29), a Polícia Federal (PF) realizou uma operação de busca e apreensão na residência onde ela morou em Brasília. As informações são da Globo News.

Carolina Oliveira Pimentel é investigada pela Polícia Federal
Carolina Oliveira Pimentel é investigada pela Polícia Federal
Foto: Carlos Alberto/ Imprensa MG

A operação esteve, entre os endereços visitados, em um apartamento usado até o ano passado pela mulher do governador. As investigações visam a desarticular um esquema de lavagem de dinheiro. A PF aponta que Carolina mantinha uma empresa fantasma que seria usada pelo esquema do empresário Benedito Rodrigues de Oliveira, que já trabalhou em campanhas do PT.

Siga Terra Notícias no Twitter

“Esta é uma definição inverídica, absolutamente inverídica. Portanto a Carolina está sendo vítima de um erro, um equívoco”, afirmou Pimentel.

O advogado de Carolina, Pierpaolo Bottini, afirmou que a empresa dela prestava assessoria de comunicação e já estaria fechada quando as investigações da PF começaram. “O Ministério Público e a Polícia Federal identificaram de maneira equivocada que, no determinado endereço, funcionaria uma empresa de fachada. A empresa de Carolina de Oliveira não é de fachada, ela prestava serviço de assessoria de comunicação e ocupou aquele imóvel até julho de 2014”, afirmou, antes de mostrar um documento de encerramento contratual.

“A empresa deixou de existir em novembro do ano passado e foi definitivamente extinta no começo desse ano. Quando a PF começou as investigações, já não existia a empresa e nem aquele imóvel”, completou.

A PF cumpre, desde a manhã desta sexta-feira, 90 mandados de busca e apreensão em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, em Goiás e no Distrito Federal. Cerca de 30 endereços de pessoas físicas, incluindo o apartamento de Carolina Oliveira, e 60 de pessoas jurídicas são alvo da operação. De acordo com o delegado responsável pela operação, Dennis Kali, o governador de Minas Gerais não é alvo das investigações.

Além das buscas e apreensões, a Polícia Federal prendeu quatro pessoas. Entre elas, Benedito de Oliveira Neto, conhecido como Bené, dono da Gráfica Brasil. No ano passado, Bené atuou na campanha do então candidato e atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel. Também foi preso o ex-assessor do Ministério das Cidades Marcier Trombiere.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade