PUBLICIDADE

Eduardo Bolsonaro fala em fraude ao lado de Bannon nos EUA

Longe da Câmara, que discute a PEC do voto impresso, filho do presidente repetiu informações falsas sobre as eleições brasileiras

10 ago 2021 20h54
| atualizado às 21h04
ver comentários
Publicidade
Eduardo Bolsonaro e família ao lado do ex-presidente dos EUA Donald Trump
Eduardo Bolsonaro e família ao lado do ex-presidente dos EUA Donald Trump
Foto: Twitter / Reprodução

Distante de Brasília no dia em que a Câmara vota a PEC do voto impresso, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) participou nesta terça-feira, 10, de um evento nos Estados Unidos no qual repetiu informações falsas sobre fraude nas urnas eletrônicas no Brasil.

Chamado a subir ao palco por Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump e conselheiro informal de populistas de direita, Eduardo foi apresentado como "o terceiro filho do Trump dos trópicos".

O evento, em um reduto republicano do Estado de Dakota do Sul, foi organizado por Mike Lindell, empresário trumpista considerado um dos principais responsáveis pela divulgação de teorias conspiratórias sobre a disputa norte-americana de 2020.

Durante toda a terça-feira, Lindell e convidados divulgaram a uma pequena plateia as narrativas de que a disputa do ano passado nos EUA foi fraudada a favor do democrata Joe Biden.

Eduardo Bolsonaro evitou comentar o caso dos EUA e se concentrou na situação do Brasil. A presença do deputado e filho de Bolsonaro em eventos que sustentam que Trump é o verdadeiro vencedor da disputa eleitoral cria um embaraço para a diplomacia brasileira, que trabalha para manter diálogo aberto com o governo Biden, a despeito da conhecida admiração da família Bolsonaro pelo ex-presidente dos EUA.

 

O deputado brasileiro não falou sobre a questão norte-americana abertamente. Em um momento, no entanto, fez uma provocação à plateia. "Vou contar uma história. Imaginem um país no qual, no dia da eleição, autoridades começam a contar os votos minuto a minuto e depois pausam por algumas horas. E quando eles retomam a contagem, adivinhem, o (candidato) número dois agora é o número um", disse Eduardo.

A situação aconteceu nos EUA, onde a apuração dos votos costuma se estender pela madrugada. No ano passado, Trump apareceu com vantagem no início da apuração, mas ficou para trás quando cédulas enviadas pelo correio passaram a ser computadas.

Eduardo, então, disse que não estava se referindo aos EUA, mas sim à Bolívia. "Se vocês pensaram em qualquer outro país, vocês devem saber que (esse país) está no mesmo nível da Bolívia quando falamos de eleições", afirmou.

O deputado brasileiro repetiu uma lista de argumentos falsos, enviesados ou descontextualizados já usados pelo pai, Jair Bolsonaro, para sugerir que há fraude no processo eleitoral do Brasil. O deputado também criticou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, e apresentou vídeos das motociatas de Bolsonaro, quando foi aplaudido por Bannon.

Ao final, Bannon, disse que Bolsonaro enfrentará o "esquerdista mais perigoso do mundo, Lula", no ano que vem e que a eleição brasileira de 2022 será a "mais importante da história da América do Sul".

Meses antes de Joe Biden ser eleito presidente dos EUA, Trump começou a propagar falsas alegações de fraude eleitoral. Extremistas apoiadores de Trump que atacaram o Capitólio em 6 de janeiro tentaram, com o ato, barrar a confirmação de Biden como presidente.

Trump está fora da Casa Branca desde janeiro, mas um pequeno grupo de aliados como Lindell e Bannon continuam a propagar a tese de fraude eleitoral e culpam sistemas eletrônicos pelas supostas irregularidades - nunca comprovadas.

Estadão
Publicidade
Publicidade