PUBLICIDADE

Política

Dinheiro da venda de Rolex foi para Bolsonaro ou para primeira-dama, diz defesa de Cid

Ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro é investigado pela Polícia Federal (PF)

18 ago 2023 - 14h58
(atualizado às 22h09)
Compartilhar
Exibir comentários
Mauro Cid era ajudante de ordens de Jair Bolsonaro
Mauro Cid era ajudante de ordens de Jair Bolsonaro
Foto: Dida Sampaio/Estadão / Estadão

Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), vendeu o rolex e entregou o valor da venda em dinheiro vivo para o ex-presidente ou para a  ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro. A informação foi revelada pelo advogado de Mauro Cid, Cézar Bittencourt, durante entrevista ao  Estúdio i, da GloboNews, nesta sexta-feira, 18.  

Bittencourt não soube afirmar quem recebeu o dinheiro, mas confirmou que o item de luxo pertencia a Bolsonaro: "Pelo que eu sei, [o dono] era o presidente. Isso não quer dizer que [Cid] tenha entregue [o dinheiro] direto para o presidente, pode ter sido para a primeira-dama."

Na quinta-feira, 17, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra do sigilo bancário de contas no exterior em nome do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), do seu ex-ajudante de ordens Mauro Cid e do general da reserva Mauro César Lourena Cid, pai de Mauro Cid. 

A Polícia Federal (PF) investiga se as contas foram usadas para recebimento de valores relativos a venda de joias e outros presentes de valor dados por autoridades árabes a agentes públicos brasileiros, durante o governo Bolsonaro. 

Hacker, quebra de sigilo e Mauro Cid: entenda o cerco a Bolsonaro Hacker, quebra de sigilo e Mauro Cid: entenda o cerco a Bolsonaro

  • Movimentação financeira: No Brasil, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou ao menos R$ 4 milhões em movimentações financeiras de recursos no exterior em contas do pai de Mauro Cid.
  • Relógios: a investigação também busca esclarecer a venda de 2 relógios de luxo,  um da marca Rolex e outro da marca Patek Philippe. As duas peças teriam sido vendidas em uma loja no Estado norte-americano da Pensilvânia por US$ 68.000. Uma das peças ainda foi comprada pelo advogado de Bolsonaro Frederick Wassef. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade