PUBLICIDADE

Política

Comandante da FAB defende 'investigação completa' sobre atuação de militares em tentativa de golpe

'Qualquer coisa que fira a disciplina deve ser punida', diz chefe da aeronáutica ao jornal 'O Globo'; na entrevista, ele diz que Lula é apaixonado pela agenda da Defesa

11 fev 2024 - 15h24
Compartilhar
Exibir comentários

SÃO PAULO - O comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, defendeu uma "investigação completa" sobre militares suspeitos de participarem de uma tentativa de golpe no país e afirmou que, caso seja comprovada a participação de integrantes de sua tropa, haverá punição. "Qualquer coisa que fira nossos diplomas disciplinares será punida", disse Damasceno em entrevista ao jornal "O Globo".

Ele disse ainda que o comando da Aeronáutica coaduna com a necessidade de uma investigação completa, garantindo a ampla defesa e o contraditório a todos os envolvidos, seguindo o necessário rito processual previsto no ordenamento jurídico vigente.

Tenente-brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, comandante da Aeronáutica
Tenente-brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, comandante da Aeronáutica
Foto: FAB/Divulgação / Estadão

Damasceno também afirmou que não teve informação sobre a reunião, no governo anterior, para discutir atos antidemocráticos e que a posição do Alto Comando da Aeronáutica foi de isenção em relação ao governo Bolsonaro. Damasceno diz não saber e nem ter sido informado pela Justiça se houve a participação de militares da FAB da ativa nos ataques de 8 de janeiro.

Na entrevista, ele também falou sobre a relação com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e negou haver desconfianças no Alto Comando. "A minha relação com o presidente sempre foi muito urbana. Ele tem uma grande preocupação com o reaparelhamento das Forças Armadas e, por exemplo, uma vontade muito grande de que a gente desenvolva uma turbina (de aeronaves). Poucos países do mundo fazem isso. Lula é apaixonado por essa agenda de Defesa", disse o brigadeiro.

O comandante da FAB defende a saída de militar à reserva, caso queira se candidatar, mas apoia que assuma função no Executivo, sem cargo eletivo, e concurso aberto, não delimitando vagas para mulheres.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade