0

Assessor de Bolsonaro pede apoio contra 'velha política'

Filipe Martins diz que ação é necessária para defender grupo 'anti-establishment'

22 mar 2019
14h20
atualizado em 23/3/2019 às 09h42
  • separator
  • 8
  • comentários

BRASÍLIA - O assessor especial do presidente Jair Bolsonaro para assuntos internacionais, Filipe Martins, usou o Twitter nesta sexta-feira, 22, para defender que alas do governo se unam e articulem uma mobilização popular para proteger a Lava Jato, promover reformas econômicas e quebrar "a velha política".

Em uma série de postagens na rede social e sem citar nomes, Martins afirmou que "há uma flagrante tentativa de isolar" o grupo "anti-establishment" do governo, no qual ele se insere.

Filipe G. Martins, assessor especial para assuntos internacionais do presidente Jair Bolsonaro; e o chanceler Ernesto Araújo
Filipe G. Martins, assessor especial para assuntos internacionais do presidente Jair Bolsonaro; e o chanceler Ernesto Araújo
Foto: Reprodução/Twitter Ernesto Araújo / Estadão Conteúdo

Segundo ele, é "ilusão" acreditar que será possível avançar sem "romper com a forma convencional de fazer política no Brasil". Por isso, em sua avaliação, é preciso que o governo trabalhe para aquecer seu eleitorado. "A única forma de ativar a lógica da sobrevivência política é por meio da pressão popular, por meio da mesma força que converteu a campanha eleitoral do PR Bolsonaro em um movimento cívico e tornou possível sua vitória. É necessário, em suma, mostrar que o povo manda no País", escreveu.

As publicações foram feitas no momento em que a relação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com o Executivo ficou estremecida por causa de ataques ao deputado postados nas redes sociais por partidários do presidente.

Considerado um discípulo do escritor Olavo de Carvalho e ligado ao deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), Martins se tornou um dos principais auxiliares e uma espécie de conselheiro de Jair Bolsonaro. As mensagens foram publicadas por ele enquanto estava no Chile acompanhando o presidente em missão oficial.

Na postagem, ele alerta que há em curso uma tentativa de isolar sua ala com o objetivo de torná-la "tóxica e mal vista" pelos demais grupos. "A situação revela a urgência de uma coordenação efetiva entre as diferentes alas do governo para trazer o apoio popular para dentro da equação, de modo que o povo tenha um papel ativo na proteção da Lava Jato, na promoção das reformas econômicas e na quebra da velha política."

Martins não nomeou quais seriam esses grupos, mas fez menção direta à equipe econômica, comandada pelo ministro Paulo Guedes, e à equipe do Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandada pelo ministro Sérgio Moro. Segundo ele, "tentam vender" a esses dois grupos que o caminho mais adequado é o que passa pelo diálogo e pela negociação política — o que ele considera um erro.

A declaração contribuiu para aumentar a cizânia entre governo e Maia. "Uma pessoa que afronta a democracia brasileira nas redes sociais, você me desculpa, ou ele é autoritário, ou ele tem algum problema. E nós não podemos aceitar. A gente não pode brincar com a democracia no Brasil", disse Maia ao Estado ao ser questionado sobre a publicação.

"É por isso que o Twitter é tão importante para eles. Essa disputa do mal contra o bem, do sim contra o não, do quente contra o frio é o que alimenta a relação deles com parte da sociedade. Só que agora eles venceram as eleições. Num país democrático, não é essa ruptura proposta que vai resolver o problema", completou Maia.

As mensagens também repercutiram mal no Congresso. Deputados cobraram do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, explicações sobre o conteúdo publicado por Martins.

O Palácio do Planalto tentou minimizar o impacto da mensagem. Segundo um integrante do governo, a publicação feita no momento em que o governo tenta debelar uma crise com o Congresso "não ajudou", mas não vai modificar a estratégia da articulação política. Essa fonte afirmou que "a grande força da natureza", capaz de moldar decisões do governo, chama-se Carlos Bolsonaro. Martins, argumentou essa fonte, tem maior influência em assuntos internacionais e não internos.

Interlocutores do assessor afirmaram que o intuito com as mensagens não foi criticar membros do Congresso, mas questionar a estratégia de comunicação do próprio Bolsonaro. A ideia é defender que o presidente use o seu "diferencial" da campanha, com forte atuação e mobilização na internet, e não aceite o discurso de que apenas a articulação política pode viabilizar a aprovação de reformas e outras medidas relevantes para o governo.

Martins é hoje um dos funcionários civis no terceiro andar do Palácio do Planalto com mais acesso a Bolsonaro. Atualmente, a maioria das salas próximas ao gabinete presidencial é reservada a militares que compõem o governo. Ele e Bolsonaro mantêm clima amistoso.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 8
  • comentários
publicidade