PUBLICIDADE

Sede de jornal e rádio é incendiada no interior de SP

Polícia Militar suspeita de atentado; proprietário do veículo disse que já sofreu ameaças de pessoas que se opõem às medidas restritivas contra a covid-19

17 mar 2021
18h36 atualizado às 19h20
0comentários
18h36 atualizado às 19h20
Publicidade

A sede do jornal Folha da Região e da Rádio Cidade foi alvo de incêndio possivelmente criminoso na madrugada desta quarta-feira, 17, em Olímpia, interior de São Paulo. Um líquido inflamável foi jogado no portão de ferro do jornal e na porta da residência do editor e proprietário, o jornalista José Antônio Arantes, que fica na parte superior do imóvel. Na tentativa de apagar o incêndio, a mulher do jornalista sofreu queimaduras leves no braço. A Polícia Militar informou que há suspeita de atentado. O jornalista disse que já sofreu ameaças de pessoas que se opõem às medidas restritivas contra a covid-19, que ele defende no jornal.

Incêndio na entrada da sede do jornal Folha da Região e da Rádio Cidade, em Olímpia (SP).
Incêndio na entrada da sede do jornal Folha da Região e da Rádio Cidade, em Olímpia (SP).
Foto: Folha da Região/Divulgação / Estadão

Arantes contou que foi acordado pelo latido de seus cães e com a fumaça que invadia o interior do quarto onde dormia. Ele, a mulher e a neta de 9 anos estavam na casa e conseguiram apagar o fogo que atingia a porta. Em seguida, eles perceberam que o incêndio se propagava também no interior do jornal. Sem conseguir acesso ao extintor, instalado no interior do imóvel, o casal usou água para controlar as chamas.

Acionados, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar estiveram na casa e colheram amostras de materiais encontrados no local. Segundo o capitão Alessandro Righetti, comandante da PM, há indícios de que o incêndio foi criminoso: "As marcas achadas na porta da redação e no local indicam que alguém jogou um produto inflamável e ateou fogo".

O jornalista atribuiu o ataque à posição do jornal contra o "negacionismo" na pandemia e na defesa de medidas de prevenção contra a doença, como o lockdown. "Estou há 40 anos na profissão, comecei já no final da ditadura e não vou abrir mão de lutar contra qualquer pensamento político que vise tirar a liberdade e suprimir direitos", disse. Arantes edita o jornal semanal e pilota, com sua filha, um programa noticioso transmitido por redes sociais e pela rádio.

Ele contou que já vinha sofrendo ameaças pela internet e mensagens pessoais. Disse que, na última sexta-feira, 12, seu carro foi seguido e quase abalroado por outro veículo quando seguia a São José do Rio Preto para buscar a edição impressa do jornal. No domingo, 14, ele encontrou o carro com os pneus murchos e os parafusos de uma roda afrouxados.

A Polícia Civil de Olímpia abriu inquérito para apurar o suposto ataque. De acordo com o delegado Marcelo Pupo, imagens de câmeras instaladas na rua mostram uma pessoa de moto se afastando do local assim que as chamas irromperam. Ele aguarda o laudo pericial, que deve sair em 30 dias, com a possível identificação do produto usado para causar o incêndio.

Estadão
Publicidade
Publicidade